Ídolo do futebol mundial, Diego Maradona morre aos 60 anos

Argentino sofreu um ataque cardiorrespiratório nesta quarta-feira (25)

Publicado em 25/11/2020 - 14:22 Por Lincoln Chaves - Rio de Janeiro

O "pibe" (garoto, em espanhol) que virou "Dios" (Deus). Diego Armando Maradona não precisou ter mais que 1,65 metro para se tornar uma divindade - literalmente. Pois é, existe uma Igreja Maradoniana, fundada há 28 anos, com seguidores até de fora da Argentina, onde ele é o ídolo máximo.

Mas se Maradona é Deus, Diego foi humano. Nesta quarta-feira (25), aos 60 anos, um dos maiores jogadores de futebol da história não resistiu a um ataque cardiorrespiratório, que sofreu em casa, na cidade de Tigre, zona norte da região metropolitana da capital Buenos Aires.

No início de novembro, Maradona foi submetido a uma cirurgia no cérebro para drenar um hematoma subdural. A família decidiu que ele permaneceria hospitalizado devido à anemia e a um quadro de abstinência de álcool, que o fez ser sedado durante a recuperação. O ídolo argentino havia recebido alta no último dia 11 para continuar a recuperação em casa.

A luta contra vícios, principalmente o das drogas, marcou a vida de Maradona. Em 1991, ele foi suspenso por 15 meses por uso de cocaína. Três anos depois, durante a Copa do Mundo de 1994, caiu no doping por uso de efedrina, chegando a sair de campo com o jogo em andamento, acompanhado por uma enfermeira. Nos anos 2000, entrou em coma e ficou perto da morte após ingerir um coquetel de remédios.

Já dentro de campo, Maradona foi brilhante. Revelado pelo Argentinos Juniors, clube que deu o nome do craque a seu estádio, brilhou com a camisa do Boca Juniors, time do coração. Por sete milhões de dólares, transferência mais cara do futebol mundial na época, foi comprado pelo Barcelona, da Espanha.

No clube seguinte, o Napoli, Diego viveu o melhor momento dele na Europa. No time italiano, que era pouco conhecido fora do país na ocasião, foi bicampeão nacional e vencedor da Copa da Uefa. Não à toa, o argentino é idolatrado na cidade de Nápoles. Tanto que o prefeito, Luigi de Magistris, defendeu que o estádio San Paolo, casa do Napoli, receba o nome de Maradona.

Mas foi vestindo a camisa alviceleste da Argentina que Maradona encantou o mundo. Em 1986, foi o grande nome do bicampeonato mundial dos hermanos. Ficou marcado por um gol de mão contra a Inglaterra - que ele próprio apelidou de "Mano de Dios" (mão de Deus) - e também por outro, na mesma partida, considerado o mais bonito da história das Copas, em que driblou quase todo o time inglês antes de balançar as redes. Há quem diga que foi a maior atuação individual de um mesmo jogador em um Mundial.

Ao longo desta quarta-feira, não faltaram homenagens. O Rei Pelé, com quem Maradona sempre disputou o posto de maior jogador da história, desejou força à família e disse que, um dia, eles baterão bola juntos no céu. O ex-jogador Careca - a quem o argentino já considerou seu melhor companheiro de ataque, quando atuaram juntos no Napoli - pediu que o "irmão" Diego fosse recebido por Deus com os braços abertos. Já o astro Lionel Messi afirmou que o ídolo os deixa, não se vai, porque é eterno.

Na Argentina, o presidente Alberto Fernández decretou oficial luto de três dias pela morte do "maior de todos". A Conmebol, confederação de futebol da América do Sul, adiou o jogo entre Internacional e Boca Juniors, que seria disputado nesta quarta-feira, no Beira-Rio, em Porto Alegre, em respeito à forte ligação entre Maradona e Boca.

O astro era técnico do Gimnasia Y Esgrima, de La Plata (Argentina), mas estava afastado devido ao tratamento de saúde. Ele deixa dois filhos e três filhas.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Esportes

Judô brasileiro encerra Olimpíada com dois bronzes e mantém tradição

O judô brasileiro se despediu da Olimpíada de Tóquio (Japão) com duas medalhas de bronze. A participação terminou neste sábado (31), após eliminação nas quartas de final do torneio por equipes mistas.

Baixar arquivo
Esportes

Dupla feminina ganha medalha olímpica inédita para tênis brasileiro

O tênis brasileiro está pela primeira vez no pódio de uma Olimpíada.

Baixar arquivo
Saúde

Hospital do Câncer de Presidente Prudente é credenciado ao SUS

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participaram, neste sábado (31), da cerimônia de credenciamento do Hospital Regional do Câncer de Presidente Prudente, interior de São Paulo, ao Sistema Único de Saúde. 

Baixar arquivo
Saúde

Butantan pede autorização à Anvisa para aplicar CoronaVac em crianças

A Agência informou que a inclusão de uma nova faixa etária depende do encaminhamento de estudos que comprovem segurança e eficácia para as idades solicitadas. Única liberada para menores até o momento é a Pfizer.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz inicia produção do IFA nacional e entrega 80 milhões de doses

A produção na fábrica de Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro, é um marco para a produção autônoma da vacina da Astrazeneca no Brasil. Até então a Fiocruz dependia da importação do insumo.

Baixar arquivo