Fórum Mundial da Água começa neste domingo

Brasília

Publicado em 17/03/2018 - 15:07 Por Dayana Vítor - Brasília

As atenções de todo o planeta vão se voltar para Brasília a partir deste fim de semana. 

 

De 18 a 23 de março, mais de sete mil representantes de vários países irão se reunir do Centro de Convenções Ulysses Guimarães para debater o presente e futuro da água. Já a Vilã Cidadã, no Mané Garrincha, deve receber 30 mil pessoas.

 

As discussões no evento principal no Centro de Convenções foram organizadas em seis temas: clima, pessoas, desenvolvimento, finanças, ecossistemas e ambientes urbanos – e em três transversais: capacidades, governança e compartilhamento.

 

Ao total, serão 340 sessões e 1,3 mil palestrantes.

 

Cidadãos de todo o mundo ajudaram a definir os assuntos que vão ser debatidos no fórum, por meio de sugestões encaminhadas para plataforma 'Sua Voz' constante no site worldwaterforum8.org.br.

 

A coordenadora da gerência-geral de estratégia da ANA- Agência Nacional de Águas- Flávia Carneiro, garante que todas as propostas vão ser apresentadas no evento.

 

O coordenador temático do 8º Fórum, Jorge Werneck, esclarece que representantes de vários setores da sociedade vão ajudar a elaborar, ao final do evento, documentos para orientar o setor da água no mundo.

 

E já partir deste sábado (17), a população pode participar dos eventos abertos ao público na Vila Cidadã, montada no estacionamento do estádio Mané Garrincha. Mas é necessário cadastro prévio no site worldwaterforum8.org para conhecer um pouco mais sobre as novidades para a conservação da água no planeta.

 

O presidente da Adasa, Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal, Paulo Salles detalha o que o participante pode encontrar na Vila Cidadã.

 


O Conselho Mundial da Água é o responsável global pelo Fórum Mundial da Água que ocorre a cada três anos.

 

No Brasil, ANA, ADASA, Ministério do Meio Ambiente, Minas e Energia, Petrobras, entre outras entidades participaram da organização do evento.

 

EBC em parceria com a Agência Nacional de Águas no 8º Fórum Mundial da Água.

 

Sonoplastia de Messias Melo 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo diz que privatização da Eletrobras vai gerar emprego no Brasil

A aprovação pelo Legislativo do texto final da Medida Provisória da Eletrobras vai viabilizar a maior privatização do país, segundo o Ministério da Economia. 

Baixar arquivo
Geral

Rio de Janeiro registra nova linhagem do coronavírus

Uma nova linhagem do coronavírus foi detectada no município fluminense de Porto Real, divisa com o estado de São Paulo.

Baixar arquivo
Geral

Viagem em meio à pandemia é tema da Semana Turismo para Todos

A pausa forçada obrigou o setor do turismo a refletir acerca de novas formas de promover experiências relacionadas às viagens.

Baixar arquivo
Cultura

Mostra de Cinema de Ouro Preto começa hoje com programação online

Pelo segundo ano em formato online por causa da pandemia, começa nesta quarta-feira (23)  a 16ª edição da CineOP - Mostra de Cinema de Ouro Preto,  com programação totalmente gratuita.

Baixar arquivo
Economia

Plano Safra terá mais de R$ 251 bilhões em créditos para produtores

O Plano Safra 2021/2022 terá mais de R$ 251 bilhões em créditos para produtores rurais, o que representa alta de 6,3% em relação à edição anterior.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Crise e desemprego atinge de forma drástica migrantes e refugiados

Crise econômica e desemprego atingiram em cheio migrantes e refugiados. Dados do IBGE mostram que o desemprego no Brasil passou de 14% no primeiro trimestre e atingiu o recorde de 14 milhões e 800 mil brasileiros. Mas, para Gisele Netto, do Acnur, o cenário é pior para os refugiados.

Baixar arquivo