Ibama manda equipe para Brumadinho; MAB lamentou acidente e também enviou comitiva

Monitoramento

Publicado em 25/01/2019 - 20:38 Por Bianca Paiva - Brasília

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou, em nota, que uma Equipe do Núcleo de Prevenção e Atendimento a Emergências Ambientais se deslocou para a área da tragédia em Brumadinho para prestar o apoio necessário.

 

Mas o instituto explicou que, em situações de emergência, a competência primária para acompanhamento é do órgão licenciador, nesse caso, a Secretaria de Meio Ambiente Estadual. A competência federal só será estabelecida se o incidente ultrapassar os limites territoriais ou atingir significativamente um bem da União.

 

O volume da barragem na Mina Córrego Feijão, segundo o Ibama, é de um milhão de metros cúbicos de rejeito de mineração. Na comparação com a tragédia em Mariana, o volume da barragem de fundão era de 50 milhões de metros cúbicos.

 

A Agência Nacional de Águas (ANA) também acompanha a situação e disse que havia a preocupação de que o rejeito atingisse a Usina Hidrelétrica Retiro Baixo, mas que a barragem da usina, localizada a 220 quilômetros do local do rompimento, vai possibilitar o amortecimento da onda de rejeito.

 

A autarquia informou que está coordenando ações para manutenção do abastecimento de água e sua qualidade para as cidades que captam água ao longo do Rio Paraopeba. Disse ainda que, conforme o Cadastro Nacional de Barragens, elaborado pela Agência Nacional de Mineração, a barragem rompida tinha baixo risco de acidentes e alto potencial de danos. A Agência Nacional de Mineração ainda não se manifestou sobre o ocorrido.

 

Também em nota, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) prestou solidariedade aos atingidos pelo desastre e disse que enviou uma comitiva para Brumadinho. A entidade afirma, no documento, que tem denunciado o atual modelo de mineração, com empresas privatizadas e multinacionais que visam o lucro a qualquer custo, o que provoca tragédias anunciadas, como o do rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana, há três anos.

 

Em comunicado no Twitter, o Instituto Inhotim, que possui um importante acervo de arte contemporânea do país, informou que está evacuando o local por questões de segurança. O Ministério do Turismo lamentou o ocorrido e lembrou que, além da preocupação com as vítimas e os danos ao meio ambiente, o rompimento da barragem também afeta o Instituto Inhotim, maior centro de arte ao ar livre da América Latina e importante atrativo turístico do Brasil.

Últimas notícias
Saúde

Prefeitura do Rio suspende vacinação contra a gripe por falta de doses

A secretaria municipal de Saúde informou, no entanto, que novas doses devem chegar ainda hoje, e com isso, a expectativa é retomar a aplicação da vacina contra a influenza amanhã à tarde.

Baixar arquivo
Saúde

Campanha chama a atenção para o combate ao mosquito Aedes aegypti

Doze estados brasileiros apresentaram aumento de casos de dengue e zika vírus este ano em relação ao ano passado, e os casos de chikungunya cresceram em 17 estados.

Baixar arquivo
Economia

Indicador que mede incerteza da economia apresenta queda em novembro

O resultado do indicador em novembro é reflexo da continuidade da melhora dos indicadores da Covid-19 no Brasil, associada a fatores negativos no campo econômico, como a inflação e juros elevados e a desaceleração do crescimento doméstico e internacional.

Baixar arquivo
Geral

No Rio, Polícia Federal desarticula emissoras de rádio clandestinas

A operação aconteceu em bairros e comunidades da zona oeste carioca, após denúncia de que as rádios estavam colocando em risco as operações nos aeroportos Santos Dumont e o Internacional Tom Jobim.

Baixar arquivo
Cultura

Em 30 de novembro de 1982, Michael Jackson lançava o álbum Thriller

Disco é citado até hoje como um dos melhores de todos os tempos e foi o álbum mais vendido no mundo, com cerca de 65 de milhões de cópias. Sucesso de público e de mídia, o trabalho rendeu oito Grammys. 

Baixar arquivo
Cultura

Professor da USP traduz cartas de indígenas no Brasil do século XVII

Cartas trocadas entre indígenas do Brasil em tupi antigo, em 1645, foram traduzidas pelo pesquisador e professor da USP, Eduardo Navarro. O contexto era o da disputa entre Portugal e Holanda por terras brasileiras, hoje, o estado de Pernambuco.

Baixar arquivo