Chegada do inverno durante a pandemia exige mais cuidados com a saúde

Durante a pandemia

Publicado em 19/06/2020 - 07:00 Por Tâmara Freire - Rio de Janeiro

A chegada do inverno costuma trazer preocupação para quem sofre de doenças do aparelho respiratório como a asma, já que a diminuição da temperatura torna o corpo mais propício a crises. Ainda mais em meio a pandemia de coronavírus e as possíveis confusões entre os sintomas. Mas de acordo com a professora de Pneumologia da Universidade Santo Amaro, Lucia Ande Souza, é possível diferenciar uma situação da outra, já que geralmente o coronavírus afeta o corpo de forma generalizada, e não apenas o aparelho respiratório.


"Associado com febre, dor de cabeça, dói o corpo todo. Quem já teve dengue diz que lembra a dor no corpo generalizada. Alguns pacientes têm sintomas de náuseas, dor de barriga, diarreia. Então, é um quadro mais sistêmico, além da coriza e da dor de garganta, uma crise e asma. A pessoa vai ter mais aquele sintoma de uma falta de ar, então é o peito que começa chiando mais, a tosse que não tinha e começa a aparecer, é uma tosse mais produtiva que produz um pouco de catarro, o nariz começa a escorrer um pouquinho", explica.


Lucia Ande Souza explica ainda que as estatísticas não têm demonstrado uma associação entre quem tem um quadro leve de asma e o desenvolvimento de casos graves de Covid-19, apesar de a condição ter sido apontada como fator de risco no início da pandemia. Por outro lado, quem tem crises de asma mais fortes ou com mais frequência, ou tem condições crônicas como a doença pulmonar obstrutiva, deve redobrar os cuidados para evitar o contágio por coronavírus e também se proteger contra outras doenças do sistema respiratório, que costumam ter aumento de casos nessa época do ano.

 

"Vacinação para gripe, procurar o seu pneumologista, se tiver que tomar vacina para pneumonia é importante tomar, não fumar pois a gente sabe que é um fator de risco importante para desenvolver o coronavírus, toda a parte de proteção de máscaras...", completa.


Apesar do momento de apreensão, a professora de Pneumologia acredita que as medidas para conter a pandemia podem ajudar quem sofre de outras doenças respiratórias, já que o isolamento social, e as técnicas de proteção individual também ajudam a evitar o contágio por outros tipos de vírus. E ela salienta a importância de manter esses cuidados, já que o número de casos continua crescendo no país.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Esportes

Tóquio 2020: Japonês vence individual geral da ginástica artística

O brasileiro Caio Souza terminou na 17ª posição na final do individual geral masculino de ginástica artística. Já o paulista Diogo Soares foi o 20° colocado.

Baixar arquivo
Economia

Prorrogada suspensão dos procedimentos de benefícios sociais

A portaria do Ministério da Cidadania foi publicada nessa terça-feira (27) no Diário Oficial da União.

Baixar arquivo
Esportes

Tóquio: Brasil pega Egito nas quartas de final no futebol masculino

A liderança do Grupo D ficou definida após o Brasil vencer a Arábia Saudita por 3 a 1 no Estádio de Saitama, na cidade de Saitama. 

Baixar arquivo
Saúde

Ministério da Saúde diz que adolescentes serão vacinados

A previsão é que esses jovens comecem a ser vacinados em setembro com a aplicação de todas as primeiras doses em pessoas com mais de 18 anos.

Baixar arquivo
Esportes

Vôlei masculino: Brasil perde para o Comitê Russo

Em dia infeliz, a seleção brasileira masculina de vôlei perdeu nesta quarta-feira (28) para o Comitê Olímpico Russo (ROC, na sigla em inglês) por 3 sets a 0, com parciais de 25/22, 25/20 e 25/20.

Baixar arquivo
Economia

IBGE: inflação da indústria tem alta de 1,31% em junho

Com o resultado, o acumulado no ano atingiu 19,11%, maior patamar para o período de toda a série histórica, iniciada em 2014. A alta acumulada em 12 meses também foi recorde: 36,81%.

Baixar arquivo