Iphan faz campanha pela preservação de ruínas de igreja no Tocantins

Localizada em Natividade, igreja foi construída por escravos libertos

Publicado em 13/01/2021 - 16:05 Por Nelson Lin - São Paulo

Para conscientizar os moradores e visitantes da cidade de Natividade, em Tocantins, o Iphan, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, está promovendo uma campanha de preservação das ruínas de uma igreja construída por escravos libertos da cidade. Isto porque tem sido observado que muitas pessoas têm escalado estas ruínas, o que pode danificar o patrimônio de mais de 200 anos.

A chefe do escritório do Iphan de Natividade, Bruna Meneses, explicou que os visitantes devem ter cuidado e consciência ao fazer visitas ao local.

O Brasil tem cerca de 24 mil sítios arqueológicos cadastrados no Iphan. Quando o turista visitar alguns um desses lugares é preciso lembrar sempre de não retirar nada do local e seguir as instruções de visitação quanto a fotos e distância de objetos arqueológicos.

Cabe lembrar que quem danifica o patrimônio arqueológico está sujeito ao artigo 62 da lei de crimes ambientais e pode pegar até um ano de prisão, além de multa.

 

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Equipes da Anvisa vão a Rússia analisar fabricação da vacina Sputnik V

A Anvisa informou nessa segunda-feira que as duas equipes da agência que vão à Rússia verificar o cumprimento das Boas Práticas de Fabricação da vacina Sputnik V irão viajar juntas. No fim da semana passada, a Anvisa divulgou que seriam duas inspeções, em datas diferentes.

Baixar arquivo
Saúde

Estudo do Butantan aponta para maior eficácia da vacina Coronavac

Um estudo do Instituto Butantan sugere que a vacina Coronavac pode oferecer mais proteção se a segunda dose for aplicada em um intervalo maior de dias. Agora, um novo resultado mostra que a eficácia global pode chegar a 62,3% se a segunda dose for aplicada em um intervalo de até 28 dias.


O diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palacios, explicou o resultado


SONORA 1


Outra dado levantado pelos pesquisadores mostra que a vacina tem uma eficácia que pode variar entre 83,7 e 100% para o chamados casos moderados, que exigem assistência médica, mas que não chegam a agravar a ponto de necessitar de UTI. A média é melhor que a anunciada inicialmente para esses casos. Os primeiros resultados apontavam para uma eficácia que não chegava a 78%.


Os novos dados de eficácia estão em um artigo  enviado para a revista científica The Lancet nesse domingo. A revista é uma das mais reconhecidas publicações científicas do mundo.


A CoronaVac responde por cerca de 90% das vacinas que vêm sendo aplicadas no Brasil por meio do PNI, o Plano Nacional de Imunizações.

DA RN, EM SP, EG

Baixar arquivo
Saúde

Butantan entrega mais 1,5 milhões de doses da CoronaVac

Com isso, chega a 39,7 milhões o total já entregue pelo laboratório estatal paulista ao governo federal. No contrato fechado com o Ministério da Saúde está prevista a entrega de 46 milhões de doses até o dia 30 de abril.

Baixar arquivo
Geral

E-book disponível: saiba o que mudou no Código de Trânsito Brasileiro

Detran-RJ lançou publicação sobre as novas regras, que começaram a valer a partir desta segunda-feira (12). Entre alterações importantes estão aumento da validade da CNH e de pontos para ter carteira cassada.

Baixar arquivo
Geral

Medidas restritivas no DF são flexibilizadas a partir de amanhã

O horário de funcionamento de bares e restaurantes será estendido por mais duas horas, e eventos esportivos podem ser realizados após 22h, mas sem público.

Baixar arquivo
Geral

Certidões de óbitos e nascimentos digitais aumentam 162% na pandemia

Segundo a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen), esses números se devem, em parte, à restrição de circulação de pessoas.

Baixar arquivo