Mulheres caminhoneiras são 0,5% nas estradas do Brasil

Elas enfrentam a saudade da família, o machismo e também o assédio

Publicado em 08/03/2021 - 12:56 Por Sayonara Moreno - Brasília

Hoje, diferente de tempos atrás as mulheres estão à frente de muitas profissões. Com grande carga de estereótipos, a profissão de caminhoneira, por exemplo, faz com que as profissionais carreguem, além de mercadorias no caminhão, o peso do machismo que enfrentam em cada canto do país.

As mulheres representam apenas 0,5% do total de caminhoneiros do Brasil, segundo estimativa da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

Nedisandra da Silva, de 45 anos, moradora de Canoas (RS), é motorista de carreta. Há 22 anos, comanda o volante de Norte a Sul do país, sem rota fixa. Se formou em administração de empresas, estudando na cabine do caminhão, onde também fez pós-graduação na área e cursos complementares.

Nedisandra conta que a rotina é corrida e é difícil ficar longe da família por dias seguidos. Mas a paixão pela estrada falou mais alto e fez com que ela enfrentasse os desafios da profissão, principalmente sendo mulher. Para isso, precisa se impor, em muitas situações.

Fora isso, Nedisandra não esconde a vaidade pela aparência e o bem-estar do corpo. Ela relata que, sem tempo de fazer academia, leva acessórios para se exercitar na carreta mesmo e cuidar da coluna.

Um universo profissional ocupado em quase a totalidade, por homens, acaba revelando o machismo e as dificuldades relacionadas a assédios. Nedisandra se sente vulnerável nas estradas e nos contou ter sido vítima de um assalto e três tentativas.

Para ela, é impensável usar roupas mais decotadas, ou que mostrem mais o corpo. Isso porque avalia a mulher como alvo de “caça” dos homens, sobretudo nas estradas.

O assessor executivo da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, Marlon Maues, não vivencia essa realidade das mulheres, mas conhece muitas histórias. Segundo ele, a entidade que representa faz campanhas de conscientização contra o assédio sexual e reconhece que o setor ainda é desafiador para elas.

De acordo com o SEST, Serviço Social do Transporte, existem mais de 900 mil vínculos trabalhistas no setor de transporte, no Brasil, desse total, 120 mil são mulheres. As que atuam como motoristas, são pouco mais de 4 mil, incluindo os carros auxiliares das empresas, não somente caminhões e carretas.

A carreteira Nedisandra da Silva é apenas um exemplo do quanto o mundo ainda é desafiador para as mulheres. Apesar do amor pelo que faz, nossa “motorista sem rota fixa” pensa em deixar as estradas, somente no futuro, para se aventurar em concursos públicos.

 

Últimas notícias
Saúde

Chegam mais doses da vacina para crianças; estados começam imunização

Chegou ao Brasil neste domingo (16) mais uma remessa da vacina Pfizer para a imunização de crianças a partir de cinco anos. O novo lote, com 1,2 milhão de doses desembarcaram no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, São Paulo, pela manhã.

Baixar arquivo
Saúde

Rio de Janeiro segue testando para covid-19

O  estado do Rio de Janeiro está ampliando sua rede de testagem para Covid. A expectativa do governo é oferecer 5 mil e 800 testes por dia, já a partir desta segunda-feira (17).

Baixar arquivo
Educação

Reaplicação do Enem 2021 termina neste domingo

Hoje (16) é o segundo dia de reaplicação de provas para os candidatos do  Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, 2021 em todo o país. Os estudantes vão responder a 90 questões de ciências da natureza e matemática. 

Baixar arquivo
Saúde

Covid: Rio de Janeiro começa vacinação de crianças nesta segunda

A meta é vacinar cerca de 1,5 milhão de crianças, entre 5 a 11 anos, contra a covid.

Baixar arquivo
Saúde

Estado do RJ registra novo recorde de casos de covid em 2022

Foram confirmados nesta sexta-feira (14) mais de 16 mil casos. Até então, o maior número de diagnósticos positivos neste início de ano tinha sido registrado no dia anterior, com mais de 12.800 ocorrências.

Baixar arquivo
Saúde

Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave aumentam 135% no Brasil

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave no Brasil deram um salto de 135% quando comparadas as três últimas semanas de novembro do ano passado com os últimos 21 dias.

Baixar arquivo