Rio decreta toque de recolher e restringe funcionamento do comércio

As regras passam a valer a partir da próxima sexta e vão até dia 11

Publicado em 04/03/2021 - 13:11 Por Raquel Júnia - Rio de Janeiro

Diante da gravidade da situação da pandemia em todo o país, o Rio de Janeiro decidiu endurecer as medidas restritivas para tentar evitar o avanço do contágio e um provável colapso do sistema de saúde da cidade.

As novas regras passam a valer às 17h desta sexta-feira (5) e vão até o dia 11 de março, e incluem a proibição de permanência da população em vias públicas, entre 23h e 5h.

Nas praias, a presença dos banhistas continuará permitida mas os quiosques serão fechados e os ambulantes proibidos.

Bares e restaurante não poderão mais funcionar à noite, incluindo os localizados em shoppings. Esses estabelecimentos deverão seguir o horário entre 6 da manhã e cinco da tarde, com apenas 40% da sua capacidade.

As feiras de artesanatos ficam canceladas e as boates e casas de espetáculo serão fechadas em toda a cidade, assim como eventos, festas e rodas de samba em espaços públicos e particulares, agora proibidos.

Todas as atividades econômicas e comerciais, como as lojas de rua e os shoppings, poderão funcionar das 6 da manhã às oito da noite e com a ocupação máxima de 40%. As atividades de delivery permanecem liberadas.

Apesar dos números favoráveis na cidade, que não indicam até o momento aumento de casos e de óbitos, segundo a prefeitura, um dado levantou o sinal de alerta e foi determinante para o endurecimento: a procura maior por atendimento nas unidades de saúde de pessoas com sintomas gripais.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, esse número vinha em tendência de queda e nos últimos 10 dias apresentou uma estabilidade, o que pode ser um indício de aumento de casos. O prefeito Eduardo Paes reforçou que as novas medidas são uma forma de antecipar e tentar evitar um endurecimento maior.

De acordo com a prefeitura, a cidade não apresentou piora na situação da ocupação dos leitos, que se mantém em torno de 75% e sem fila de espera. O agravamento da pandemia em estados vizinhos como São Paulo e Minas Gerais também pesou na decisão.

O novo decreto estipulou ainda uma multa mais alta para quem estiver sem máscara e em situação de aglomeração. O valor passa de R$ 112,48 para R$ 562,42. A fiscalização será feita pelas Secretarias Municipais de Ordem Pública e Saúde, além da Guarda Municipal.

Últimas notícias
Direitos Humanos

Câmara aprova MP que abre crédito para doar alimentos a quilombolas

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira a medida provisória que abre crédito extraordinário de R$ 167,2 milhões para o Ministério da Cidadania distribuir cestas de alimentos à população quilombola. A matéria segue para o Senado.

Baixar arquivo
Geral

Defesa Civil de São Paulo emite alerta para ressaca marítima

São esperadas ondas de até 4 metros de altura, em todo o litoral do estado de São Paulo.  A recomendação é que os banhistas evitem a prática de esportes aquáticos ou que utilizam o vento, como surf, windsurf e kitesurf.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Defensoria Pública e Conectas denunciam violência na Cracolândia em SP

A Defensoria Pública de São Paulo e a organização não-governamental Conectas Direitos Humanos encaminharam nesta semana à Comissão Interamericana de Direitos Humanos um pedido de proteção para a população em situação de rua e de usuários de drogas que vive na chamada Cracolândia, na capital paulista.

Baixar arquivo
Política

Governo Federal deve cortar mais R$ 10 bilhões dos ministérios

E para um possível reajuste de 5% a categorias do funcionalismo público como policiais rodoviários federais e agentes penitenciários será necessário um novo corte de mais R$ 7 bilhões nas despesas. 

Baixar arquivo
Economia

Congresso debate importância do petróleo na transição energética

A redução das emissões de carbono no setor de óleo e gás foi um dos assuntos abordados nesta quinta-feira no Congresso Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes.

Baixar arquivo
Geral

Podcast Entrevista é Nacional: a luta contra o abuso sexual infantil

A campanha Maio Laranja é um incentivo ao combate ao abuso e à exploração sexual infantil no Brasil.  A presidente do Instituto Infância Protegida, Raquel Vieira de Andrade Oliveira, fala da importância de conscientizar toda sociedade para evitar situações que colocam as crianças em risco

Baixar arquivo