Mais de um milhão de brasileiros não possuem vaso ou fossa sanitária

Publicado em 23/02/2024 - 10:23 Por Carolina Pessoa - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro
Atualizado em 23/02/2024 - 17:48

As desigualdades no acesso ao saneamento básico no Brasil persistem e cerca de 1,2 milhão de brasileiros vivem em casas sem nenhum tipo de esgotamento sanitário. É o que apontam dados do Censo 2022, divulgados nesta sexta-feira (23) pelo IBGE.

Os recenseadores encontraram 367 mil domicílios que não têm banheiros, nem sanitários, ou mesmo uma fossa para uso dos moradores.

O Censo também identificou que a fossa rudimentar ou buraco ainda era a forma de esgotamento sanitário usada por quase 20% da população. Apesar disso, houve melhora no cenário geral. A pesquisa feita no ano 2000 encontrou menos de 45% da população residindo em domicílios com esgotamento por rede. Em 2022, essa quantidade subiu para 62,5%.

Chama a atenção ainda a grande disparidade de cor ou raça na distribuição do saneamento. Entre as pessoas brancas, 83,5% tinham rede coletora de esgoto no domicílio. Proporção que cai para 75% entre pessoas pretas ou pardas. Há também disparidades regionais. Enquanto no estado de São Paulo, 90% das residências são atendidas por coleta de esgoto, no Acre, essa proporção é de apenas 11%.

O acesso a água também continua precário para muitas pessoas. Apesar da rede geral ser apontada como principal forma de abastecimento em todas as regiões do país, há ainda 68 municípios que dependem predominantemente de carros-pipa e outros 21, que contam principalmente com água da chuva armazenada. Todos ficam no Nordeste.

Bruno Perez, pesquisador do IBGE, explica que essas formas são consideradas inadequadas pelo Plano Nacional de Saneamento Básico.

Entre 2010 e 2022, a proporção da população residente em domicílios sem água encanada reduziu 4,4 pontos percentuais. Mas 2,4% da população ainda precisava transportar a água de algum ponto de abastecimento até em casa usando baldes, galões, veículos ou outros recipientes.

A coleta de lixo foi outro ponto pesquisado. Pouco mais de 9% da população recorre a soluções locais ou individuais para a destinação do lixo, como a queima, o enterro na própria propriedade ou o descarte em terreno baldio, encosta ou área pública. Mas a coleta de lixo domiciliar apresentou avanços significativos nas últimas décadas. Em 2000, o Censo informou que 76,4% da população era atendida pelo serviço, percentual que se aproximou de 91% em 2022.

* Atualizada para correção de informações 

Edição: Vitória Elizabeth/ Marizete Cardoso

Últimas notícias
Geral

Portos e Aeroportos e Anac irão investigar morte de cão Joca em avião

O cão Joca morreu aos cuidados da Gol. Ele foi embarcado para o destino errado e ficou oito horas dentro do canil, a uma temperatura de 36°. Presidente Lula prestou homenagem ao golden retriever, usando uma gravata com cachorros.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Caso Bruno e Dom: Justiça adia julgamento sobre júri popular

O desembargador federal retirou o julgamento da pauta para avaliar o pedido dos advogados de defesa. Ele também não divulgou nova data para retornar a apreciação. 

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Letalidade policial no Brasil preocupa, aponta Anistia Internacional

“As polícias do Brasil não usam a inteligência como ferramenta. Usam a brutalidade, o tiroteio, as armas, a matança", afirma Jurema Werneck, Diretora Executiva da Anistia Internacional Brasil. Relatório da organização mostra violações de direitos humanos em mais de 150 países. No Brasil, as denúncias em 2023 aumentaram 41%, em relação a 2022.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Indígenas capturam 12 garimpeiros em Território Yanomami

Os garimpeiros foram escoltados até uma equipe da Força Nacional e serão levados para sede da Polícia Federal em Boa Vista. 

Baixar arquivo
Educação

São Paulo oferece curso inédito de licenciatura intercultural indígena

O curso é voltado a docentes que lecionam em escolas de terras indígenas de São Paulo dos povos Guarani Mbya e Nhandewa, e também das etnias Kaingang, Krenak e Terena.

Baixar arquivo
Educação

Professores indígenas na Bahia terão mesmo salário da rede estadual

A lei que reestrutura a carreira de professores indígenas foi sancionada pelo governador, Jerônimo Rodrigues. E assegura condições, gratificações e adicionais previstos para o magistério público dos ensinos fundamental e médio. 

Baixar arquivo