Príncipe William manifesta preocupação com mortes na Palestina

Publicado em 20/02/2024 - 23:15 Por Pedro Moreira - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Em Londres, o príncipe William visitou a sede da Cruz Vermelha britânica, onde conversou por videochamada com o chefe regional da entidade para Oriente Médio e Norte da África. Após a visita, o herdeiro do trono inglês disse continuar profundamente preocupado com o terrível custo humano do conflito desde o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro.

E defendeu ser fundamental que a ajuda chegue aos que estão em Gaza e que os reféns sejam libertados. William vai visitar uma sinagoga na semana que vem para tratar do aumento do antissemitismo. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou ter completado uma segunda missão de evacuação do hospital Nasser, na cidade de Khan Yunis, Sul de gaza. O segundo maior hospital de gaza parou de funcionar na semana passada, após um cerco de uma semana seguido de uma operação israelense. Segundo a OMS, cerca de 130 pacientes e 15 médicos permanecem no local, sem eletricidade nem água, em meio ao lixo. 

Já o programa mundial de alimentos da ONU anunciou que interrompeu mais uma vez as entregas de ajuda no Norte de Gaza, alegando questões de segurança. Depois de suspensas por 3 semanas, o socorro tinha sido retomado no último domingo. A crise de alimentos é particularmente grave no Norte, onde, em janeiro, uma em cada 6 crianças com menos de 2 anos apresentava desnutrida aguda. 

Na Rússia, Lyudmila Navalnaya, mãe do líder opositor Alexei Navalny, morto na última sexta, divulgou um vídeo pedindo que o corpo dele seja entregue à família. Falando diante da prisão em que Navalny morreu, ela afirma que após 5 dias, ainda não conseguiu ver nem saber onde o corpo está. Faço um apelo a você, Vladimir Putin. Deixe-me, finalmente, ver meu filho. Exijo que o corpo de Alexei seja libertado imediatamente para que eu possa enterrá-lo decentemente, diz ela.

Nessa segunda, o embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, afirmou que o corpo ainda não foi liberado porque a perícia para determinar a causa da morte ainda não foi concluída. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse hoje que vai anunciar um pacote de novas sanções contra a Rússia na próxima sexta-feira, em resposta à morte de Alexei Navalny e à guerra na ucrânia. 

* Com informações da Agência Reuters.

Últimas notícias
Saúde

OMS: Vacinas salvaram 154 milhões de vidas em 50 anos

Os esforços globais de imunização têm sido fundamentais, salvando aproximadamente 154 milhões de vidas nos últimos 50 anos, conforme indicado por um estudo conduzido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), revelado recentemente.

Baixar arquivo
Economia

Reforma tributária: Haddad leva texto da regulamentação ao Congresso

O documento tem mais de 300 páginas e 500 artigos com as regras do novo sistema de cobrança de impostos. Ele substitui cinco impostos por dois, um federal e um para estados e municípios.

Baixar arquivo
Política

Congresso Nacional adia análise de vetos presidenciais

A ideia é dar mais tempo para os líderes do governo e da oposição entrarem em acordo para a votação.

Baixar arquivo
Internacional

Presidente de Portugal reconhece culpa pela escravidão no Brasil

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que seu país tem responsabilidade pelos crimes da era colonial, como tráfico de pessoas na África, massacres de indígenas e saques de bens.

Baixar arquivo
Geral

Preso, Chiquinho Brazão fala no Conselho de Ética da Câmara por vídeo

Brazão, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, está preso há um mês e é alvo de pedido de cassação apresentado pelo PSOL.

Baixar arquivo
Segurança

CCJ da Câmara aprova lei que permite aos estados decidirem sobre armas

Pelo projeto de lei, os estados poderiam decidir sobre a posse e o porte de armas. Parlamentares favoráveis à proposta acreditam que diferenças estaduais precisam ser respeitadas. Já os contrários, afirmam que regras sobre armas devem ser definidas por uma lei nacional. Base do governo aponta inconstitucionalidade da medida.

Baixar arquivo