Homem consegue o direito do descarte de embriões após o divórcio

Publicado em 28/01/2022 - 16:06 Por Leandro Martins - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Embriões que sobraram no processo de fertilização in vitro, devem ser descartados caso o casal se divorcie. A decisão é da Quinta Turma Cível do TJDFT, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, e atende a uma questão judicial entre um casal que se separou depois do procedimento. O caso está sob segredo de Justiça.

A fertilização in vitro é um procedimento de reprodução assistida, feito em laboratório, a partir da fecundação fora do útero, para casais que têm algum tipo de infertilidade, mas querem ter filhos. Esse método é capaz de produzir um grande número de embriões a partir da doação de óvulos e espermatozoides. Apenas alguns são implantados, e os demais são colocados em câmaras de criopreservação.

A história é a seguinte: um contrato firmado pelo casal, na época da fertilização, previa que, em caso de divórcio, os embriões pertenceriam à esposa. Mas, após a separação, o homem procurou a Justiça pedindo o descarte dos embriões. Ele venceu em primeira instância, e a ex-esposa recorreu, sob o argumento de que a manifestação da vontade não pode ser mudada.

Segundo a decisão, na época do procedimento, uma resolução do Conselho Federal de Medicina determinava que as clínicas de fertilização, cumprissem a vontade dos genitores sobre o destino dos embriões em caso de divórcio – que neste caso, não chegaram a um acordo.

Segundo a sentença, conforme a Constituição Federal, é uma decisão do casal ter filhos ou não, e que não pode ser violada por parte de instituições oficiais ou privadas. Assim, um dos cônjuges ou ex-cônjuges pode modificar sua vontade com relação ao embrião preservado. Segundo decisão da Justiça, a paternidade deve ser um ato voluntário e responsável, e não algo imposto e destaca ainda que não há impedimento legal para descartar embriões excedentes da fertilização in vitro.

Para a presidente da Comissão de Direito das Famílias e Sucessões da OAB-DF, Liliana Marques, a decisão do TJDFT vai causar novos processos desse gênero. Ela aponta a falta de regulamentação do Código Civil Brasileiro sobre o tema.

Uma resolução do Conselho Federal de Medicina, de 2021, prevê que o casal, no momento em que contrata o serviço, deve decidir sobre o destino dos embriões em caso de morte, de um ou de ambos os cônjuges, doença grave ou em caso de divórcio.

Edição: Paula de Castro Ribeiro / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Geral

Justiça do Rio aceita denúncia contra acusados de matar perito

Eles vão responder pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Baixar arquivo
Cultura

Pedra fundamental do Royal Albert Hall foi lançada há 155 anos

Embaixo da pedra fundamental, foi colocada uma “cápsula do tempo” com uma mensagem do primeiro-ministro e moedas de prata e ouro. O marco inaugural pode ser encontrado atualmente no auditório principal, no bloco K, fila 11, assento 87.

Baixar arquivo
Esportes

Rebeca Andrade é destaque do Troféu Brasil de ginástica artística

Rebeca já se classificou para as finais das barras assimétricas na competição que está acontecendo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em comemoração aos 250 anos da cidade

Baixar arquivo
Cultura

Museu da Língua Portuguesa em SP tem programação especial nesta semana

Localizado em prédio histórico da Estação da Luz, no Centro de São Paulo, o Museu da Língua Portuguesa tem uma grande diferença em relação aos museus tradicionais: o acervo.

Baixar arquivo
Esportes

Há 15 anos, Romário balançava as redes pela milésima vez

O atacante, hoje senador da República pelo Rio de Janeiro, tinha então 41 anos de idade ao alcançar a mesma marca do Rei Pelé.

Baixar arquivo
Saúde

23 anos da venda de genéricos: saiba o que mudou nesse período

A iniciativa revolucionou o comércio de remédios, favoreceu o acesso a preços mais baixos, mas sem perder a qualidade, segurança e a eficácia dos produtos.

Baixar arquivo