Da matemática à medicina, os caminhos que levam mulheres ao Universo

O legado de Katherine Johnson um ano após sua morte

Publicado em 26/03/2021 - 13:47 Por Adrielen Alves - Brasília

Como é possível ir da Terra à Lua?

Para uma a menina prodígio nascida nos Estados Unidos, em 1918, que cresceu contando os números, uma pergunta que teve respostas além da matemática e da física, e reflexos no empoderamento feminino e na superação das discriminações.

Respostas dadas por ela mesma: a americana Katherine Johnson.

A cientista fez ''diferença'', segundo a Nasa, nos programas espaciais da agência ao calcular trajetórias para que o primeiro americano entrasse na órbita do planeta Terra, em 1962 e mais à frente fizesse o primeiro pouso na Lua, com a missão Apollo 11,em 1969.

Katherine Johnson teve que enfrentar um mundo que abria portas para uma corrida espacial, mas com trincas fechadas para pôr fim à segregação racial. E foi com a fórmula matemática que ela conseguiu ser aceita em um ambiente preponderantemente de homens brancos.

E com os seus ''por ques?'' e ''porquês'' entrou para a equipe, se destacando em diversas missões e se consagrando como uma das cientistas espaciais mais influentes dos Estados Unidos e do mundo.

Katherine se aposentou em 1986 e faleceu em fevereiro de 2020, aos 101 anos.

O Universo das mulheres que amam as estrelas vai do gosto pelos números da matemática Katherine, ao encanto pelo espaço ''fantasticamente imenso'', da médica Thaís Russomano.

A brasileira que remonta o sonho de desbravar o espaço na infância, aos quatro anos, com proporções maiores ao ganhar a primeira luneta aos sete anos, diz que chegou à realização com a medicina aeroespacial.

Ela chegou a avaliar a candidatura, em 1998, para uma vaga como representante civil do Brasil em missões espaciais.

Mas, foi na fisiologia e nas respostas dos corpos dos astronautas à microgravidade que Thaís Russomano uniu a medicina ao sonho de criança.

“ Eu tive a oportunidade de participar de duas campanhas de voos parabólicos da Agência Espacial Europeia em 2000 e 2006 e me lembro da primeira vez que eu flutuei. Eu pensei: 'então é isso que é estar em microgravidade, é isso que é trabalhar no espaço'. Naquela fração de segundo me senti uma astronauta.'', diz.

A médica brasileira que hoje mora em Londres, onde atua em universidades europeias e no ramo empresarial, explica que esta trajetória começou em Porto Alegre, seguiu com especializações nos Estados Unidos e Inglaterra e experiências em outros países.

Thaís Russomano diz que este recorte da medicina, que cuida da saúde dos astronautas, é um nicho restrito e teve que enfrentar desafios pelo fato de ser mulher, latina, mas que apostou nos estudos e considera esta uma luta válida.

Na expectativa pelos próximos passos da corrida espacial, destaca as missões tripuladas para Marte e para a Lua, em especial, a Artemis, que deve levar a primeira mulher ao satélite.

 “Isso é fundamental para pensarmos em colonização de outros mundos. Nós precisamos mesmo da condição do homem e da mulher, da reprodução, de seres nascidos e criados em outros corpos celestes. Além de mostrar que as mulheres estão a frente também da exploração espacial.'', diz. 

A cientista lamenta a demora para o retorno à Lua, com a última missão em 1972, já que, segundo ela, as experiências no satélite poderiam contribuir para ultrapassarmos hoje o que considera fronteira maior: Marte.

E ela destaca ainda o turismo espacial, ''que vai ser uma forma muito interessante de popularizar a exploração do espaço.''

Hoje desenvolve também um projeto que aproxima as crianças das missões espaciais e retoma a importância que fez o incentivo da mãe ao levá-la a um planetário.

“Com quatro cinco anos ela me levou a um planetário no Rio de Janeiro por que eu já estava muito fixada nessa coisa de espaço, depois, com minha luneta observava a Lua, os anéis de Saturno. Criei um grupo para crianças sobre astronomia e cheguei a escrever um livro na infância. Uma paixão que foi indo, indo.''

 

 

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Meio Ambiente

Aquecimento global pode gerar aumento de mortes por estresse térmico

Estudo inédito da Fiocruz mostra que é prejudicial para o corpo humano quando há um aumento duradouro de temperatura durante um tempo determinado, como durante ondas de calor. 

Baixar arquivo
Educação

Direito da UFRJ indica Nei Lopes para o título de doutor honoris causa

A concessão do título ao jurista negro havia sido rejeitada na primeira sessão da Congregação da Faculdade de Direito, responsável por avaliar as indicações.

Baixar arquivo
Economia

Guedes se reune para destravar reformas tributárias no Congresso

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez reuniões, nesta quarta-feira, para tentar destravar as reformas tributárias que tramitam no Congresso Nacional. O assunto está entre as prioridades da equipe econômica.

Baixar arquivo
Saúde

Estudo aponta que 2ª dose da AstraZeneca não aumenta risco de trombose

A segunda dose da vacina da AstraZeneca não aumenta a chance de ter a forma rara de trombose identificada em alguns pacientes. O estudo foi feito pela própria AstraZeneca e publicado nessa quarta-feira, pela conceituada revista científica The Lancet.

Baixar arquivo
Saúde

Em rede nacional, Queiroga afirma que 100 milhões já tomaram a 1ª dose

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também reforçou para que todos que estejam atrasados em tomar a 2ª dose das vacinas que procurem imediatamente um posto de saúde.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Programa Sinal Vermelho contribui no combate a violência doméstica

A partir de agora, as vítimas de violência doméstica vão poder ir até uma repartição pública ou privada participante do programa Sinal Vermelho e mostrar um "X"  em vermelho na palma da mão, de forma silenciosa. Os funcionários da instituição vão encaminhar a vítima ao atendimento especializado.

Baixar arquivo