Da matemática à medicina, os caminhos que levam mulheres ao Universo

O legado de Katherine Johnson um ano após sua morte

Publicado em 26/03/2021 - 13:47 Por Adrielen Alves - Brasília

Como é possível ir da Terra à Lua?

Para uma a menina prodígio nascida nos Estados Unidos, em 1918, que cresceu contando os números, uma pergunta que teve respostas além da matemática e da física, e reflexos no empoderamento feminino e na superação das discriminações.

Respostas dadas por ela mesma: a americana Katherine Johnson.

A cientista fez ''diferença'', segundo a Nasa, nos programas espaciais da agência ao calcular trajetórias para que o primeiro americano entrasse na órbita do planeta Terra, em 1962 e mais à frente fizesse o primeiro pouso na Lua, com a missão Apollo 11,em 1969.

Katherine Johnson teve que enfrentar um mundo que abria portas para uma corrida espacial, mas com trincas fechadas para pôr fim à segregação racial. E foi com a fórmula matemática que ela conseguiu ser aceita em um ambiente preponderantemente de homens brancos.

E com os seus ''por ques?'' e ''porquês'' entrou para a equipe, se destacando em diversas missões e se consagrando como uma das cientistas espaciais mais influentes dos Estados Unidos e do mundo.

Katherine se aposentou em 1986 e faleceu em fevereiro de 2020, aos 101 anos.

O Universo das mulheres que amam as estrelas vai do gosto pelos números da matemática Katherine, ao encanto pelo espaço ''fantasticamente imenso'', da médica Thaís Russomano.

A brasileira que remonta o sonho de desbravar o espaço na infância, aos quatro anos, com proporções maiores ao ganhar a primeira luneta aos sete anos, diz que chegou à realização com a medicina aeroespacial.

Ela chegou a avaliar a candidatura, em 1998, para uma vaga como representante civil do Brasil em missões espaciais.

Mas, foi na fisiologia e nas respostas dos corpos dos astronautas à microgravidade que Thaís Russomano uniu a medicina ao sonho de criança.

“ Eu tive a oportunidade de participar de duas campanhas de voos parabólicos da Agência Espacial Europeia em 2000 e 2006 e me lembro da primeira vez que eu flutuei. Eu pensei: 'então é isso que é estar em microgravidade, é isso que é trabalhar no espaço'. Naquela fração de segundo me senti uma astronauta.'', diz.

A médica brasileira que hoje mora em Londres, onde atua em universidades europeias e no ramo empresarial, explica que esta trajetória começou em Porto Alegre, seguiu com especializações nos Estados Unidos e Inglaterra e experiências em outros países.

Thaís Russomano diz que este recorte da medicina, que cuida da saúde dos astronautas, é um nicho restrito e teve que enfrentar desafios pelo fato de ser mulher, latina, mas que apostou nos estudos e considera esta uma luta válida.

Na expectativa pelos próximos passos da corrida espacial, destaca as missões tripuladas para Marte e para a Lua, em especial, a Artemis, que deve levar a primeira mulher ao satélite.

 “Isso é fundamental para pensarmos em colonização de outros mundos. Nós precisamos mesmo da condição do homem e da mulher, da reprodução, de seres nascidos e criados em outros corpos celestes. Além de mostrar que as mulheres estão a frente também da exploração espacial.'', diz. 

A cientista lamenta a demora para o retorno à Lua, com a última missão em 1972, já que, segundo ela, as experiências no satélite poderiam contribuir para ultrapassarmos hoje o que considera fronteira maior: Marte.

E ela destaca ainda o turismo espacial, ''que vai ser uma forma muito interessante de popularizar a exploração do espaço.''

Hoje desenvolve também um projeto que aproxima as crianças das missões espaciais e retoma a importância que fez o incentivo da mãe ao levá-la a um planetário.

“Com quatro cinco anos ela me levou a um planetário no Rio de Janeiro por que eu já estava muito fixada nessa coisa de espaço, depois, com minha luneta observava a Lua, os anéis de Saturno. Criei um grupo para crianças sobre astronomia e cheguei a escrever um livro na infância. Uma paixão que foi indo, indo.''

 

 

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Prefeitura do Rio reduz restrições e autoriza atividades coletivas

A Prefeitura do Rio de Janeiro avançou na flexibilização das restrições para conter a pandemia de covid-19. Agora é permitido fazer atividades coletivas tanto em espaços públicos, quanto em áreas particulares. Mas a permanência nesses locais, apenas por lazer continua vetada.

Baixar arquivo
Saúde

Brasil receberá 15,5 milhões de doses da vacina da Pfizer até junho

Quase dois milhões de doses da vacina da Pfizer serão antecipados ao Brasil, entre abril e junho.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Brasil e União Europeia realizam encontro sobre mudanças climáticas

A ideia do encontro foi estabelecer um diálogo político sobre as mudanças climáticas e o desenvolvimento sustentável. 

Baixar arquivo
Política

Senado debate projeto que proíbe reajuste de medicamentos na pandemia

A correção nos preços é autorizada anualmente e definida pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, ligada ao Ministério da Justiça.

Baixar arquivo
Geral

Cheia do Rio Negro pode afetar quatro mil pessoas em Manaus

De acordo com boletim do Serviço Geológico do Brasil, o rio Negro segue em processo de enchente, subindo a uma média de 5 cm por dia, considerado alto para o período.

Baixar arquivo
Esportes

A 100 dias de Tóquio, Brasil já confirmou 200 vagas em 21 modalidades

A 100 dias dos jogos de Tóquio, o Brasil já confirmou 200 vagas em 21 modalidades e ainda tem chance de classificação em mais 30. Saiba mais com Astrid Nick. 

Baixar arquivo