Telecomunicações: radiofusão com mudanças e AMs estão virando FMs

Acompanhe a segunda reportagem do especial "Telecomunicações"

Publicado em 04/05/2021 - 17:07 Por Leandro Martins* - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Você já deve ter ouvido a expressão “nas ondas do rádio”. Pois é, o sinal do rádio é enviado por meio de ondas, que viajam pelo ar em frequências. As principais são a AM, que significa amplitude modulada; e a FM, frequência modulada.

A frequência AM, mais antiga, alcança distâncias maiores, mas pode sofrer muitas interferências técnicas; e, com isso, o som chega misturado a ruídos e chiados. Já a FM, mais moderna, tem uma melhor qualidade do som; por outro lado, não chega tão longe.

Mas, ao contrário do sinal AM, que precisa de aparelhos de rádio próprios, o sinal de uma rádio FM pode ser captado em aparelhos móveis em geral, como o celular, o que permite ampliar o número de ouvintes; e, com isso, o faturamento das emissoras.

Para pôr fim a essas limitações técnicas, desde 2014, o Ministério das Comunicações permitiu a mudança do sinal das emissoras AM para o FM. Até agora, mais de 1.700 emissoras solicitaram a migração. O secretário de Radiodifusão do Ministério, Maximiliano Martinhão, aponta que a mudança vai trazer vantagens em qualidade e redução de custos para as emissoras.

O estudante Pedro Damasceno, ouvinte assíduo da Rádio Nacional, gosta da programação da AM por acreditar que atende a pessoas com menos recursos. Para ele, a migração para a FM - e a melhora na qualidade do som - vai permitir que as emissoras AM ganhem mais ouvintes.

Nelia Del Bianco, pesquisadora da Intercom, a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, acredita que o estilo de comunicação de uma emissora AM, que tem muitos ouvintes, principalmente a partir dos 50 anos de idade, não vai acabar mesmo com a migração para a FM.

Agora, você pode estar se perguntando; e vai caber tanta emissora nova na frequência modulada? Vai sim. O espaço para elas vai ser aumentado, porque até 2023, serão destinados os canais 5 e 6 da televisão analógica para essas rádios.

* Com sonoplastia de José Maria Pardal.

Edição: Sâmia Mendes/ Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Inpi prioriza tecnologias e fármacos destinados ao combate da covid-19

O Inpi, órgão responsável pelas patentes no Brasil, está priorizando o trâmite de processos que sejam voltados para tecnologias e fármacos destinados ao combate ao novo coronavírus. O objetivo é acelerar o exame de pedido de patentes de produtos relacionados à covid-19.

Baixar arquivo
Saúde

Butantan anuncia que IFA da Coronavac chega na próxima semana

  1. O Instituto Butantan anunciou que deve receber dia 26 de maio, um novo lote do IFA, o insumo farmacêutico ativo, usado para a produção da Coronavac. A previsão é de que a China envie quatro mil litros do insumo, o que daria para produzir cerca de 6,7 milhões de doses da vacina.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Covid: pandemia agrava situação de vulnerabilidade da população LGBTI

A pandemia da covid-19 fez com que a situação de vulnerabilidade social de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis se agravasse. O alerta, feito nesta segunda-feira, Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia, é do coordenador do grupo Arco Íris e diretor da aliança nacional LGBTI, Claudio Nascimento.

Baixar arquivo
Economia

Lei para afastamento de grávidas das funções presenciais gera duvidas

A lei que determina o afastamento de mulheres grávidas de atividades presenciais durante a pandemia tem gerado dúvidas entre as trabalhadoras que exercem funções que não podem ser feitas à distância, como é o caso das empregadas domésticas.

Baixar arquivo
Economia

Monitor do PIB da FGV prevê crescimento de 1,7% no primeiro trimestre

O Monitor do PIB da Fundação Getúlio Vargas prevê crescimento de 1,7% na economia brasileira nesse primeiro trimestre do ano, em comparação ao quarto trimestre de 2020. E o resultado positivo está sendo calculado já considerando a retração de 2,1% em março, com relação a fevereiro.

Baixar arquivo