Algoritmos de IA que ameaçam os direitos humanos devem ser proibidos

Publicado em 23/09/2021 - 08:16 Por *Lucas Pordeus Leon - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Os algoritmos de inteligência artificial que ameaçam os direitos humanos devem ser proibidos, até que sejam incluídas as salvaguardas necessárias para o uso seguro desses programas. Essa é a opinião da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

No informe divulgado em setembro deste ano, Bachelet argumenta que essas tecnologias podem conduzir a decisões discriminatórias, com risco maior para as populações já marginalizadas, podendo afetar, por exemplo, quem recebe um serviço público, quem terá uma oportunidade de emprego e até quem será preso.

No Brasil, o projeto de lei que regulamenta a inteligência artificial está em regime de urgência na Câmara dos Deputados. O texto traz como princípios da tecnologia: o respeito à dignidade humana, a não discriminação e a transparência sobre o funcionamento dos algoritmos, salvo quando se tratar de segredos comerciais e industriais.

Para o professor do Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Edson Prestes, é preciso definir ainda as responsabilidades em casos de falhas nos sistemas.

A legislação deve proibir ou limitar certas práticas identificadas como de alto risco, opina o professor do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais, Virgílio Almeida.

Uma das aplicações de inteligência artificial considerada de alto risco é o reconhecimento facial em espaços públicos, como destacou a coordenadora de Inteligência Artificial do Laboratório de Políticas Públicas e Internet, Ingrid Soares.

Casos de pessoas presas por engano devido a erros no sistema de reconhecimento facial têm se repetido nos Estados Unidos e inclusive no Brasil. O informe da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos recomenda que o uso dessas ferramentas em espaços públicos seja proibido até que as autoridades demonstrem que não existem efeitos discriminatórios.

Clique aqui e confira as demais reportagens da série

*Com produção de Michele Moreira e sonoplastia José Maria Pardal

Edição: Jacson Segundo / Beatriz Arcoverde

Últimas notícias
Geral

Governo de SP anuncia edital para finalizar obras do Rodoanel

Obra vai interligar a rodovia Dutra com o restante da malha viária que circunda a região metropolitana de São Paulo. Trabalhos estavam parados desde 2018.

Baixar arquivo
Geral

Temperaturas vão cair até 10 graus no Sul, Sudeste e Centro-Oeste

E é preciso ficar atento porque há a formação de um novo ciclone sobre o Rio Grande do Sul que pode levar ventos fortes para a costa do país.

Baixar arquivo
Saúde

Doutores da Alegria voltam a se apresentar em hospitais públicos do RJ

As apresentações retornaram em abril, após dois anos suspensas por causa da pandemia. Em 13 anos de existência, o grupo já fez mais de 700 apresentações, envolvendo mais de 300 artistas para mais de 140 mil pessoas.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Mulheres e negros refugiados venezuelanos têm menos acesso a emprego

Apesar de o número de imigrantes venezuelanos ser quase o mesmo entre homens e mulheres, 17% das mulheres venezuelanas estão sem ocupação, já os homens sem trabalho correspondem a 6,4%.

Baixar arquivo
Justiça

Judiciário promove a semana "Justiça pela Paz em Casa”

 A iniciativa pretende dar andamento aos processos de violência doméstica e sensibilizar a sociedade com práticas educativas.

Baixar arquivo
Segurança

PM morto em abordagem de veículo no RJ é enterrado hoje

Nelcir de Paula Jacobino foi baleado na cabeça por homens que estavam no carro abordado por sua equipe na manhã deste domingo (14), em Irajá. Ele estava na Polícia Militar desde 1999.

Baixar arquivo