CPI: ex-coordenadora do PNI critica falta de vacinas contra Covid

Publicado em 08/07/2021 - 16:58 Por Leandro Martins - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Em depoimento à CPI da Pandemia, nesta quinta-feira (08), a ex-coordenadora do PNI, o Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, Francieli Fantinato, disse que faltaram à campanha doses suficientes de vacina e divulgação de informações para a população.

Ela também relatou aos senadores pressões para a definição dos grupos prioritários do programa. Segundo ela, tendo em vista um cenário de escassez de vacinas, foi preciso fazer uma campanha fragmentada, que precisava de uma comunicação muito clara para que ela pudesse acontecer de forma única no país.

Franciele, que foi exonerada nesta semana, explicou que deixou o cargo no Ministério da Saúde por motivos pessoais e por haver uma politização em torno da vacina. Ela relatou que esteve por dois anos à frente do Programa Nacional de Imunizações, e ressaltou o potencial do país para promover campanhas de vacinação, citando o exemplo da vacina contra a gripe deste ano, destinada a 80 milhões de brasileiros.

Perguntada sobre a reação adversa que causou a morte de uma gestante após a vacinação contra o coronavírus com a Astrazeneca, a ex-coordenadora argumentou que existem estudos de avaliação de risco da imunização nas grávidas que apontam que elas devem se imunizar. Fantinato também defendeu a chamada intercambialidade, ou seja, a possibilidade de tomar a segunda dose da vacina de outro fabricante.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues, pediu ao relator, o senador Renan Calheiros, para mudar a condição de Franciele Fantinato de investigada para testemunha. E que seja cancelada a quebra do sigilo telefônico e telemático dela. As solicitações ainda serão analisadas.

Ainda na reunião desta quinta (08) da Comissão, o presidente da CPI, senador Omar Aziz, disse que vai enviar uma carta ao presidente Jair Bolsonaro para que ele se manifeste sobre as denúncias do deputado federal Luis Miranda em relação a supostas irregularidades no contrato de compra da vacina indiana Covaxin.

Edição: Bianca Paiva / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Cultura

Escola de samba Portela se torna patrimônio imaterial e cultural

A maior campeã da história do Carnaval carioca, com 22 títulos, a Portela se tornou patrimônio imaterial e cultural do estado do Rio de Janeiro.

Baixar arquivo
Saúde

Surto de gripe no RJ lota unidades de pronto atendimento

Para especialistas, a baixa cobertura vacinal contra a gripe, nos dois anos de pandemia de coronavírus, fez com que a doença ganhasse espaço. Agora, com a circulação do vírus da gripe, o que se vê são pessoas relatando sinais de febre e dor no corpo.

Baixar arquivo
Saúde

Governo vai passar a exigir quarentena para viajantes não vacinados

De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, após o período de quarentena definido, os viajantes deverão apresentar um teste do tipo PCR negativo.

Baixar arquivo
Economia

Empregadores devem quitar parcelas suspensas do FGTS até hoje

Devem ser pagas todas as parcelas em aberto e, para evitar o acréscimo de encargos e multa, a Caixa alerta que a quitação deve ser feita dentro do prazo. A falta do recolhimento impede o empregador de emitir o Certificado de Regularidade do FGTS.

Baixar arquivo
Economia

Cepal aponta recuperação do comércio na América Latina e Caribe no ano

Essa recuperação, no entanto, não será igual em todos os países da América Latina e do Caribe, por causa das incertezas provocadas pela pandemia do novo coronavírus.

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Governo assina contratos de concessão do 5G

Além de deixar a velocidade da internet cerca de 100 vezes mais rápida em comparação ao 4G, a tecnologia é capaz de integrar pessoas e objetos - a chamada tecnologia das coisas.

Baixar arquivo