Estudo alerta para colapso no atendimento a pacientes de Covid no país

Segundo Fiocruz risco se acentuou com a chegada do fim do ano e férias

Publicado em 10/12/2020 - 13:24 Por Raquel Junia - Rio de Janeiro

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz alerta que é real a possibilidade de colapso no atendimento a pacientes com covid-19 nas próximas semanas. O risco se acentuou, segundo a nota técnica, diante do aumento de casos e internações em vários estados, assim como a chegada das festas de fim de ano e férias de verão, quando as pessoas tendem a se encontrar mais sem tanto cuidado, o que deve acelerar a disseminação do novo coronavírus.

Outro agravante é que a movimentação das pessoas no final de ano traz o risco de maior demanda da rede de saúde, por outros agravos, como os acidentes de trânsito.

Os pesquisadores da Fiocruz alertam que o risco de colapso é maior porque houve desmobilização dos leitos destinados a Covid, o que deixou a maioria dos estados sem capacidade de atender a curva crescente de casos da doença.

A pesquisa foi desenvolvida pela equipe do Monitora Covid-19 e chama a atenção também para o fato de que a pandemia está sincronizada, ou seja, presente tanto nas regiões metropolitanas quanto nas cidades do interior.

O epidemiologista Diego Xavier, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz, detalha que o aumento nos casos pode pressionar as regiões metropolitanas, que terão capacidade reduzida para atender aqueles pacientes vindos do interior.

Segundo o estudo, houve uma inversão na proporção de óbitos entre as capitais e o interior. Até o final de maio, 67% dos óbitos foram nas regiões metropolitanas, mas em outubro esse percentual era de apenas 33%, com mais de 60% das mortes registradas nas cidades do interior. Essa realidade também fez com que a falta de UTIs pesasse ainda mais no interior, onde o total de pessoas que morreram de covid sem que pudessem ter o tratamento intensivo é proporcionalmente maior do que nas regiões metropolitanas.

Em nível nacional, nas cidades do interior, 36% morreram de Covid-19 fora das UTIs, contra 31% nas regiões metropolitanas. Os estados do norte do país lideram em número de óbitos nessa situação levando-se em conta as cidades do interior. No Amapá 82% dos óbitos aconteceram antes que o paciente tivesse acesso a uma vaga de tratamento intensivo, em Roraima, este percentual foi de 72%.

Nas regiões metropolitanas, os estados de Roraima, Sergipe, Amazonas, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, São Paulo, Distrito Federal e Ceará foram os que tiveram mais mortes de pacientes com coronavírus que não chegaram a ser assistidos em UTIs.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Bolsonaro participa da entrega de espadins na Escola Naval

Na cerimônia, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, disse que o recebimento do espadim é a materialização do esforço e da dedicação dos aspirantes.

Baixar arquivo
Educação

Inscrições do Enem 2021 começam em 31 de junho também para treineiros

Estudantes que ainda não completaram o terceiro ano do ensino médio e estão interessados em fazer o Enem - Exame Nacional do Ensino Médio para se autoavaliar, podem se inscrever para a prova como treineiros, mas, apenas para a versão impressa.

Baixar arquivo
Cultura

Morto por covid, diretor de carnaval Laíla é enterrado no Rio

Laíla morreu na sexta-feira por complicações da covid-19. O carnaval carioca também perdeu nessa sexta Amadeu Amaral, o mestre Mug, que por 30 anos comandou a bateria da escola de samba Vila Isabel.

Baixar arquivo
Saúde

Rio inclui gestantes no calendário único de vacinação

A medida também inclui lactantes e  puérperas sem comorbidades. Essas vacinações  devem ser feitas com prescrição médica.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz entrega mais cinco milhões de vacinas da AstraZeneca

Somando a entrega desta semana, já são 54,8 milhões de doses produzidas e disponibilizadas ao Ministério da Saúde. Outras quatro milhões foram importadas prontas do Instituto Serum da Índia. 

Baixar arquivo
Geral

Treze anos depois, Lei Seca está mais rígida

Atualmente, quem for flagrado conduzindo em via pública com qualquer nível de álcool no sangue tem que pagar quase R$ 3 mil de multa e ficar 12 meses sem carteira de habilitação. Esta é considerada uma infração gravíssima, assim como se recusar a fazer o teste do bafômetro.

Baixar arquivo