Covid cresce entre ricos de São Paulo, mas pobres ainda são maioria

Inquérito sorológico ainda excluiu população de rua do levantamento

Publicado em 14/01/2021 - 20:50 Por Eliane Gonçalves - São Paulo

Mais de 14% da população da cidade de São Paulo já contraiu o coronavírus. O dado deixa de fora a população de rua, que protestou em frente a prefeitura nessa quinta-feira.

A prefeitura de São Paulo divulgou o resultado do novo inquérito sorológico feito entre os dias 05 e 07 de janeiro deste ano.

Os números mostram que aumentou a prevalência de pessoas infectadas pelo novo coronavírus na cidade. O índice ficou em 14,1%. No final do ano passado estava em 13,6%.

A proporção de casos continua sendo maior entre pessoas pretas e pardas, 15,6%, contra 12,8% entre brancos.

Quase 21% das pessoas que precisam sair para trabalhar e 17% dos desempregados já contraíram o coronavírus, contra 8% das pessoas que conseguem trabalhar de casa.

A proporção de casos nos bairros mais ricos da cidade aumentou mais de 2,5 vezes. Saltou de 4,6% em outubro do ano passado para 11,9%.

Mas os bairros mais pobres, nas periferias da cidade, continuam sendo os mais castigados pela pandemia. Nessas regiões a prevalência ainda é de 22%, praticamente o dobro da registrada nos bairros ricos.

O inquérito é feito com a testagem de pessoas nos domicílios – e deixa de fora um grupo bastante vulnerável: as pessoas que vivem nas ruas.

Enquanto o vice-prefeito, Ricardo Nunes, apresentava os dados do inquérito sorológico, pessoas em situação de rua faziam um protesto. Elas fecharam o Viaduto do Chá, que dá acesso ao prédio da prefeitura, para criticar o corte nos programas assistenciais, como explicou o coordenador do Movimento Estadual da População de Rua, Robson Mendonça.

Durante a coletiva, a prefeitura não quis comentar o protesto. Nós entramos em contato para checar as medidas que estão sendo tomadas para apoiar essas pessoas, mas não houve retorno até o fechamento da edição.

Segundo o último censo, em 2019, a população de rua era de mais de 24 mil pessoas, o equivalente à população inteira do Núcleo Bandeirante, no Distrito Federal. A estimativa dos movimentos sociais é que, desde o começo da pandemia, o número de pessoas dormindo nas calçadas, embaixo de marquises e em barracas espalhadas pela cidade praticamente dobrou.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Covid: grávidas e puérperas em Pernambuco receberão 2ª dose da Pfizer

A recomendação partiu do Ministério da Saúde e foi confirmada pelo Comitê Técnico para Vacinação do estado.

Baixar arquivo
Saúde

Pfizer deve entregar 2 milhões de vacinas nesta semana

Ontem mais 1 milhão de doses chegaram no aeroporto de Campinas, em São Paulo. Com esse lote, a farmacêutica já entregou ao Plano Nacional de Vacinação (PNI) mais de 24 milhões das 200 milhões de doses.

Baixar arquivo
Geral

Massa de ar frio pode provocar até registro de neve no país

Apenas a região Nordeste não está na rota da massa de ar frio. Frente fria vai despencar as temperaturas em grande parte do país, provocando chuvas, geadas, temperaturas negativas e até um possível registro de neve.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Projeto Baleia Jubarte protege animais e promove turismo na Bahia

De julho a novembro, as baleias jubarte podem ser vistas no litoral da Bahia. Chegam para a reprodução.

Baixar arquivo
Saúde

Covid-19: Prefeitura do Rio retoma vacinação da primeira dose

Aplicação da vacina estava suspensa desde a última sexta-feira por falta de estoques.

Baixar arquivo