Pesquisa de soro contra Covid-19 produzido com cavalos avança no país

Na Argentina, uso emergencial do método foi liberado no dia 10

Publicado em 26/01/2021 - 20:18 Por Victor Ribeiro - Brasília

O nome parece difícil: soro equino hiperimune. Mas o efeito é simples: usar uma dose - desculpe o trocadilho - cavalar de anticorpos para tratar pacientes com Covid-19.

O soro produzido por cavalos não é uma novidade. Há mais de 100 anos pesquisadores brasileiros usam essa substância quando a gente é mordido por cachorro - para evitar raiva -, contra os efeitos de picada de cobra ou no combate ao tétano.

O soro contra a Covid-19 já é pesquisado em outros países. Entre eles a Argentina, onde o estudo está bastante avançado e o uso emergencial foi liberado no dia 10 de janeiro. O Brasil está quase lá, como conta o pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro e presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do estado, Jerson Lima Silva.

De acordo com os dados da Argentina, o soro deve ser usado em pacientes agudos com quadros moderados ou severos da Covid-19. Em 45% dos casos, a substância reduziu a mortalidade; em 24%, diminuiu a necessidade de internação; e em 36% dos pacientes, não foi mais necessário usar respiração mecânica.

Os cientistas da UFRJ, da Fiocruz, do Instituto Vital Brazil e do Instituto D’Or, que se uniram no desenvolvimento desse tratamento, esperam apresentar à Anvisa um pedido de uso emergencial no começo do mês que vem.

De acordo com Jerson Lima Silva, o soro desenvolvido em cavalos se mostrou eficaz contra três variações do novo coronavírus, mas não substitui a vacina.

Os cavalos que integram a pesquisa ficam no Instituto Vital Brazil, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Eles não são contaminados com o novo coronavírus, mas recebem a proteína S, que fica na espícula do vírus. São aquelas pontinhas que parecem uma coroa - daí o “corona” do nome - e que ligam a estrutura do vírus às nossas células.

Essa proteína é injetada por baixo da pele dos animais, que não sofrem nenhum dano, como detalha o diretor Industrial do Vital Brazil e líder da pesquisa na instituição, o veterinário Luiz Eduardo Ribeiro da Cunha.

Quando uma pessoa é infectada, ela também cria anticorpos, como uma reação natural à Covid-19. A diferença é que o soro dos cavalos pode ter de 20 a mais de 150 vezes a quantidade de anticorpos que um ser humano é capaz de produzir.

Luiz Eduardo conta que o soro extraído de cada cavalo é suficiente para tratar centenas de pessoas.

O soro equino hiperimune já passou por testes em laboratório, que comprovaram que o medicamento bloqueou a ação do vírus. Os estudos preliminares já foram publicados e aprovados pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Assim que a documentação estiver pronta, os pesquisadores vão pedir à Anvisa as autorizações para testes clínicos em 41 voluntários e para uso emergencial.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Pesquisa e Inovação

Universidade Federal de Pernambuco cria produto que combate cárie

A cárie é uma deterioração no dente causada por bactérias. Para dar um jeito nisso, os dentistas costumam usar a broca. Mas o barulho desse motorzinho pode estar com os dias contados.

Baixar arquivo
Geral

Com chuvas fortes na madrugada, SP permanece com o tempo instável

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE), da prefeitura de São Paulo, as áreas de instabilidades se deslocam do interior rumo à Grande São Paulo, provocando chuva com até forte intensidade entre a região de Sorocaba e o sudoeste da Grande São Paulo.

Baixar arquivo
Educação

Escolas no Rio iniciam retorno das aulas presenciais sem rodízio

Numa primeira fase, estão sendo retomadas as aulas em todas as escolas municipais para pré-escola, 1º, 2º, 5º e 9º anos do ensino fundamental e programa Carioca II, de aceleração de ensino.

Baixar arquivo
Saúde

Câncer de mama: homens devem fazer mamografia a cada dois anos

Devido à baixa incidência da doença em homens, não há programas de rastreio da doença no público masculino. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda que os homens façam mamografias a cada dois anos entre 50 e 69 anos de idade.

Baixar arquivo
Esportes

Seleção brasileira de atletismo vence Campeonato Sul-Americano Sub-23

Os atletas brasileiros conquistaram 56 medalhas, sendo 25 de ouro, 18 de prata e 13 de bronze, e somou 517 pontos, 276 no masculino e 241 no feminino.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz defende continuidade no uso de máscaras e comprovante vacinal

Pesquisadores do Observatório Covid-19, da Fiocruz, defendem que o sucesso no controle da pandemia, no atual estágio em que o Brasil se encontra, requer, além de elevada cobertura vacinal , a associação de medidas, como higienização das mãos, distanciamento social, uso de máscara e comprovante de imunização.

Baixar arquivo