Em um ano, rotina mundial foi transformada pela covid-19

ONU lança campanha global por acesso à vacinas e prevenção

Publicado em 11/03/2021 - 18:35 Por Daniella Longuinho - Brasília

Há um ano, a Organização Mundial da Saúde declarava a covid-19 uma pandemia. Naquele momento, a doença que havia surgido no final de dezembro de 2019, na China, já estava presente em 114 países. Atualmente, dos 193 países do globo, apenas 15 localidades, a maioria ilhas remotas, não registraram casos no novo coronavírus.

Neste 11 de março de 2021, a Organização das Nações Unidas lançou uma campanha global em defesa do acesso às vacinas e da importância da prevenção à covid-19. Com a hashtag ‘somente unidos’, a ONU afirma que as vacinas são “uma luz no fim do túnel”, reconhece o trabalho de cientistas que desenvolveram imunizantes “seguros e eficazes”, em tempo recorde, e apela para que as vacinas sejam consideradas um bem público mundial.

Ao longo desse 1º ano de pandemia, todos os países, em proporções diferentes e em momentos distintos, viram suas rotinas alteradas: escolas e locais de trabalho fecharam, sistemas de saúde chegaram ao limite de atendimento, o número de casos e mortes cresceram exponencialmente, crises financeiras se instauraram. O mundo passou a lutar contra um vírus ainda desconhecido.  

Dentre os hábitos que vieram para ficar, medidas sanitárias básicas foram incorporadas ao cotidiano da população: o uso de máscara, higiene das mãos e distanciamento social. Esses cuidados com a saúde são lembrados pela operadora financeira Karen Oliveira e pelo zelador José Rodrigues.

O presidente do Conselho Regional de Química da 3ª Região, Rafael Almada, afirma que a grande maioria da população aderiu às medidas básicas de prevenção ao novo coronavírus. O órgão contribuiu na produção de material informativo para tornar acessível o conhecimento sobre diluição e concentração de agentes químicos, como água sanitária e álcool em gel, fundamentais na limpeza de superfícies e da pele. 

A professora do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de Brasília, Larissa Polejack, lembra que a OMS reforçou no início deste ano a necessidade e a urgência de resposta dos países com estratégias de saúde mental para a população. Para a professora, é importante conversar e procurar ajuda profissional em alguns casos. 

Conforme o último boletim do Ministério da Saúde, o Brasil tem mais de 11,2 milhões casos e 270 mil mortes pela covid-19. O número de recuperados ultrapassa 9,9 milhões. 

Edição: Joana Lima

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Política

Congresso vai promulgar reforma eleitoral nesta terça-feira

A proposta que altera as regras para as eleições precisa ser convertida em emenda constitucional até o dia 2 de outubro, para valer para o próximo pleito.

Baixar arquivo
Esportes

Brasil leva títulos em circuito mundial de tênis em cadeira de rodas

A competição é organizada pela Federação Internacional de Tênis, vale pontos para o ranking internacional da modalidade e contou com a participação de cerca de 60 atletas.

Baixar arquivo
Esportes

Confira os resultado de segunda-feira (27) no futebol

Na Série B, do Campeonato Brasileiro, o Vasco venceu o Goiás por 2 a 0. Na classificação, o time cruzmaltino subiu para a sétima colocação com 40 pontos.

Baixar arquivo
Política

Veto que permitia despejos na pandemia é derrubado pelo Congresso

Estão proibidos os despejos até 31 de dezembro deste ano. A proibição veio com a derrubada do veto presidencial nesta segunda-feira pelos deputados e senadores.

Baixar arquivo
Economia

Participação da Petrobras no preço da gasolina é de cerca de R$ 2

Empresa é responsável por 34% do valor final do preço da gasolina; já no litro do diesel, a parcela da estatal é de R$ 2,49, equivalente a 52%. No botijão de 13kg do gás de cozinha, a participação fica em R$ 46,90, correspondente a 48% do preço.

Baixar arquivo
Economia

Pedro Guimarães dá detalhes sobre linha de crédito Caixa Tem

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foi o entrevistado dessa segunda-feira do programa “A Voz do Brasil”

Baixar arquivo