Covid-19: aumenta para sete o número de vacinas autorizadas no Brasil

OMS e agências solicitaram acesso a dados de medicamentos e vacinas

Publicado em 07/05/2021 - 19:40 Por Victor Ribeiro, Repórter da Rádio Nacional - Brasília

A Organização Mundial da Saúde e as oito agências que fazem parte da Coalizão Internacional de Autoridades Reguladoras de Medicamentos fizeram hoje um apelo para os desenvolvedores de remédios e vacinas. Em uma nota conjunta, convocam a indústria farmacêutica para que ofereça amplo acesso a dados clínicos para todos os novos medicamentos e vacinas. O pedido inclui as substâncias aprovadas de formas condicional ou definitiva, para uso emergencial, ou indeferidas.

A declaração destaca que “a pandemia da covid-19 evidenciou a necessidade de informações e dados para apoiar acadêmicos, pesquisadores e a indústria no desenvolvimento de vacinas e de terapêuticos; para apoiar reguladores e autoridades de saúde em suas tomadas de decisão; para apoiar os profissionais de saúde na prescrição de tratamentos; e para apoiar a confiança do público nas vacinas e terapêuticos utilizados”.

A coalizão internacional reúne as agências reguladoras do Brasil, que é a Anvisa, da União Europeia e de outros seis países: Austrália, Canadá, Estados Unidos, Irlanda, Japão e Reino Unido.

Nos últimos meses, a falta de acesso a documentos sobre eficiência, qualidade e risco tem dificultado a aprovação de diversos produtos na União Europeia e nos outros países que participam da coalizão. Esse foi um dos motivos para a Anvisa rejeitar os pedidos de dez estados para a importação da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

Nessa sexta-feira, aumentou para sete o número de vacinas que podem ser usadas no Brasil. Isso porque a OMS autorizou a entrada do imunizante chinês Sinopharm no consórcio internacional Covax Facility. Com isso, a aprovação pela Anvisa é automática, assim como ocorreu com a da Moderna. As vacinas da Pfizer e da AstraZeneca com a Fiocruz já têm registro aprovado pela Anvisa. Já a Coronavac, a Janssen e a Covishield, produzida pela AstraZeneca na Índia, estão autorizadas para uso emergencial.

Edição: Raquel Mariano/ Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Universo: Entenda como as constelações são batizadas

Cassiopeia, Carina, Fenix...Estes nomes te remetem a alguma coisa? Não? E Andrômeda?! Este você conhece? Todos estes são nomes de constelações. Andrômeda está entre as mais famosas, e inspira obras de ficção científica.

Baixar arquivo
Política

Deputados voltarão a analisar MP sobre privatização da Eletrobras

O Senado aprovou nessa quinta-feira (17) a Medida Provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras, a maior empresa de energia elétrica da América Latina. 

Baixar arquivo
Esportes

Brasil vence Peru por 4 a 0

O Brasil ganhou do Peru por 4 a 0, nesta quinta-feira (17), pela Copa América. Já a Colômbia e a Venezuela empataram em 0 a 0.

Confira as notícias do futebol com Bruno Mendes.

Baixar arquivo
Justiça

STF proíbe manutenção de empregos de aposentados em estatais após 2019

O plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu que o vínculo empregatício de funcionários de empresas estatais deixa de existir para todos os que se aposentaram depois da reforma da previdência de 2019.

Baixar arquivo
Política

Bolsonaro pede a supermercadistas que não aumentem a cesta básica

Durante encontro com empresários, no Rio de Janeiro, o presidente da Republica, Jair Bolsonaro, fez um apelo ao setor supermercadista para que segurem os preços da cesta básica. Os empresários entregaram uma carta com pedidos de avanço da vacinação e prorrogação do auxílio emergencial

Baixar arquivo
Saúde

Com aumento de casos de covid, Araraquara vai adotar novo lockdown

Com crescimento de casos de coronavírus, Araraquara vai adotar novo lockdown. A decisão foi tomada nessa quinta-feira depois da cidade registrar pelo terceiro dia consecutivo mais de 20% de testes positivos nas amostras colhidas de pessoas com sintomas e assintomáticas.

Baixar arquivo