Covid-19: aumenta para sete o número de vacinas autorizadas no Brasil

OMS e agências solicitaram acesso a dados de medicamentos e vacinas

Publicado em 07/05/2021 - 19:40 Por Victor Ribeiro, Repórter da Rádio Nacional - Brasília

A Organização Mundial da Saúde e as oito agências que fazem parte da Coalizão Internacional de Autoridades Reguladoras de Medicamentos fizeram hoje um apelo para os desenvolvedores de remédios e vacinas. Em uma nota conjunta, convocam a indústria farmacêutica para que ofereça amplo acesso a dados clínicos para todos os novos medicamentos e vacinas. O pedido inclui as substâncias aprovadas de formas condicional ou definitiva, para uso emergencial, ou indeferidas.

A declaração destaca que “a pandemia da covid-19 evidenciou a necessidade de informações e dados para apoiar acadêmicos, pesquisadores e a indústria no desenvolvimento de vacinas e de terapêuticos; para apoiar reguladores e autoridades de saúde em suas tomadas de decisão; para apoiar os profissionais de saúde na prescrição de tratamentos; e para apoiar a confiança do público nas vacinas e terapêuticos utilizados”.

A coalizão internacional reúne as agências reguladoras do Brasil, que é a Anvisa, da União Europeia e de outros seis países: Austrália, Canadá, Estados Unidos, Irlanda, Japão e Reino Unido.

Nos últimos meses, a falta de acesso a documentos sobre eficiência, qualidade e risco tem dificultado a aprovação de diversos produtos na União Europeia e nos outros países que participam da coalizão. Esse foi um dos motivos para a Anvisa rejeitar os pedidos de dez estados para a importação da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

Nessa sexta-feira, aumentou para sete o número de vacinas que podem ser usadas no Brasil. Isso porque a OMS autorizou a entrada do imunizante chinês Sinopharm no consórcio internacional Covax Facility. Com isso, a aprovação pela Anvisa é automática, assim como ocorreu com a da Moderna. As vacinas da Pfizer e da AstraZeneca com a Fiocruz já têm registro aprovado pela Anvisa. Já a Coronavac, a Janssen e a Covishield, produzida pela AstraZeneca na Índia, estão autorizadas para uso emergencial.

Edição: Raquel Mariano/ Beatriz Arcoverde

Últimas notícias
Política

PEC dos Precatórios é aprovada no Senado

Os precatórios são dívidas da União com empresas e pessoas que ganharam ações definitivas na justiça. A proposta aprovada pelo Senado limita o valor a ser gasto anualmente com essas despesas e muda a forma de cálculo do teto de gastos. Proposta ainda precisa voltar à Câmara.

Baixar arquivo
Educação

Prazo para solicitar a reaplicação da prova do Enem termina amanhã

Candidatos podem pedir a reaplicação até às 23h59 desta sexta; os nomes dos participantes aptos a fazerem a prova em nova data serão divulgados na própria Página do Participante.

Baixar arquivo
Saúde

Prefeitura do Rio vai rever ampliação de exigência de cartão de vacina

Segundo o prefeito Eduardo Paes, houve "exagero" na ampliação de locais onde devem ser apresentados comprovante de vacinação contra a covid-19.

Baixar arquivo
Saúde

São Paulo suspende festa de Réveillon na Paulista

A vigilância sanitária da capital paulista fez um estudo de riscos e orientou a cancelar a festa do dia 31 de dezembro. Além disso, o prefeito decidiu manter a obrigatoriedade no uso de máscaras em lugares públicos. O uso seria abolido no próximo dia 11.

Baixar arquivo
Cultura

Em 2 de dezembro de 1870, estreava no Brasil a ópera O Guarani

A ópera, de autoria do maestro Carlos Gomes, se baseia no romance O Guarani, escrito por José de Alencar, e conta, em quatro atos, a história de Cecília e Peri. 

Baixar arquivo
Geral

Bolsonaro participa de formatura de sargentos no Rio de Janeiro

O presidente da República Jair Bolsonaro foi à Escola de Sargentos de Logística, na vila militar no Rio de Janeiro, para acompanhar a formatura do Curso de Formação e Graduação de Sargentos.  Antes do evento, o presidente se reuniu com os formandos.

Baixar arquivo