Pesquisa UFBA: Bolsa Família pode reduzir mortalidade por aids

Publicado em 29/02/2024 - 16:33 Por Carolina Pessoa - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

Um estudo da Universidade Federal da Bahia e da Fiocruz Bahia, em parceria com a Universidade da Califórnia em Los Angeles, aponta que o programa Bolsa Família pode reduzir significativamente o adoecimento e mortalidade por aids em países com populações extremamente vulneráveis.

O estudo analisou dados de um período de nove anos, de 2007 a 2015, de quase 23 milhões de brasileiros a partir de 13 anos.

Andreia Silva, uma das pesquisadoras responsáveis pelo estudo, ressalta os principais públicos beneficiados pelo programa. “Notamos também que esse efeito de redução foi maior nos indivíduos de renda extremamente baixa. Observamos também que o programa teve impacto expressivo entre mulheres e adolescentes”.

Salvador Corrêa, membro da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV no Rio de Janeiro, ressalta que programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, ajudam no cuidado integral à saúde. “Elas permitem que o cuidado seja integral. Quando se pensa saúde, nós pensamos em um conceito amplo, que não é apenas o biomédico. Não basta oferecer remédio. A pessoa precisa ter remédio, precisa se alimentar, precisa ter água potável, precisa ter um ar de qualidade. Precisa viver em um ambiente que tenha condições sanitárias adequadas. Então é uma série de questões que envolve a ideia de saúde integral”.

A pesquisadora Andrea aponta a importância dos resultados. “Acreditamos que esses resultados são cruciais para fundamentar políticas [públicas] baseadas em evidências, fornecendo às autoridades governamentais informações confiáveis para a tomada de decisões, como também direcionar recursos de forma mais eficaz”.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Commnications. Mundialmente, mais de 40 milhões de pessoas morreram de doenças relacionas à aids em países com populações extremamente vulneráveis desde o início da epidemia, na primeira metade dos anos 80. Além disso, mais de 39 milhões de pessoas viviam com HIV em todo o mundo em 2022.

Edição: Nadia Faggiani / Liliane Farias

Últimas notícias
Economia

MS: Lula visita JBS e comemora exportação de carne para China

Em 2023, quase 40% de toda a carne vendida pelo Brasil foi para a China; o que rendeu mais de U$ 8 bilhões ao nosso país.

Baixar arquivo
Saúde

Abril lilás: câncer de testículo matou quase 4 mil entre 2012 e 2021

O Instituto Nacional de Câncer aponta que o câncer de testículo corresponde a 1% dos tumores masculinos no mundo. Apesar de raro, ele preocupa porque afeta mais homens em idade produtiva.

Baixar arquivo
Geral

São Paulo sanciona lei sobre uso do cordão de girassol

O uso do cordão, que é uma espécie de colar verde com desenhos de pequenos girassóis, facilita a rápida identificação de pessoas com deficiências que podem não ser percebidas de imediato, como auditivas, visuais e intelectuais.

Baixar arquivo
Segurança

Polícia Civil prende suspeitos de negociar armas furtadas do Exército

Depois de uma denúncia anônima, a polícia localizou a dupla em um condomínio de luxo em Santana de Parnaíba (SP) e cumpriu mandado de prisão temporária. 

Baixar arquivo
Saúde

Aumenta o número de internações por dengue em hospitais privados de SP

Levantamento realizado pelo SindHosp mostra que aumento ocorreu tanto nos leitos clínicos, como nas UTIs dos hospitais particulares de São Paulo.  

 

Baixar arquivo
Saúde

Dia D de vacinação contra gripe será neste sábado em todo o Brasil

Várias cidades do país realizam neste sábado (13) um Dia D de vacinação contra a gripe. A expectativa do Ministério da Saúde é vacinar 75 milhões de pessoas. 

Baixar arquivo