Museu Histórico Nacional recebe acervo de remoção da Vila Autódromo

Publicado em 20/05/2017 - 15:21 Por Lígia Souto - Repórter do Radiojornalismo - Brasília

O processo da remoção de centenas de famílias da Vila Autódromo e a resistência de parte delas, que conseguiu ficar no local, serão retratados em exposição permanente no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro. Em uma cerimônia, ocorrida na quinta-feira (18), o acervo foi incorporado à coleção do museu. São peças que narram a história da comunidade e o que ocorreu durante o período das remoções. A vila fica ao lado do antigo Autódromo de Jacarepaguá, na zona oeste da cidade, que foi demolido para a construção do Parque Olímpico da Barra.

A pesquisadora do Museu Histórico Nacional, Aline Montenegro Magalhães, disse que a exposição, que será inaugurada até o fim deste ano, permite que vestígios de antigas remoções, como a do Morro do Castelo, ocorrida na década de 1920, dialoguem com os processos de desocupações recentes.

“Então, agora, a gente está tendo a oportunidade que este acervo, do início do século [passado], dialogue com o acervo de um outro processo de remoção. Infelizmente esses processos não acabaram, continuaram envolvendo a expulsão das pessoas dos seus lugares de moradia. São processos sempre muito tensos e problemáticos, né?”.

O Morro do Castelo ficava localizado na região central da então capital do país e teve a sua desocupação concluída em 1921, pelo prefeito Carlos Sampaio, com a remoção das pessoas pobres que residiam em cortiços e antigos casarões, ao mesmo tempo em que

Rio de Janeiro - Casas dos moradores que resistiram à retirada da Vila Autódromo (Akemi Nitahara/Agência Brasil)

Casas dos moradores que resistiram à retirada da Vila Autódromo Akemi Nitahara/Arquivo Agência Brasil

várias obras estavam sendo executadas no centro da cidade para a Exposição Comemorativa do Centenário da Independência do Brasil. A desocupação do Morro do Castelo enfrentou forte oposição dos intelectuais da época.

De acordo com a pesquisadora, o que restou da Vila Autódromo e pôde ser recuperado será incluído ao acervo do museu e exposto na sala Cidadania em Construção, que será reformulada para receber outros documentos de grupos que fazem parte da história do país, mas que são muitas vezes, segundo Aline, “silenciados”, como as mulheres e indígenas.

“A gente está reformulando esse módulo expositivo, de modo a disponibilizar ao público objetos relativos a esses diferentes grupos na luta pelos seus direitos. E o acervo das remoções vai representar, justamente, a resistência e a luta pela manutenção do seu lugar, de moradia, de vida, enfim”.

Para a acupunturista Sandra Maria de Souza, moradora da Vila Autódromo há 25 anos, a nova coleção é um reconhecimento da luta e da vitória da resistência. “Significa que realmente a história reconheceu a importância da nossa luta, da vitória da Vila Autódromo, o quanto isso foi importante na história das remoções, da população removida ao longo da história do Rio de Janeiro”, disse.

Sandra destaca o fato do Museu Histórico Nacional reconhecer a importância da luta dos moradores. “É uma instituição de peso que reconhece a importância dessa luta, a importância da resistência e o quanto isso é importante no processo de construção da história dessa cidade mesmo, que vem removendo tantas pessoas, tantas populações ao longa da sua construção. Então, isso é muito importante”.

Das cerca de 500 famílias que moravam na Vila Autódromo, apenas 20 permaneceram no local após a transformação do Rio de Janeiro em cidade olímpica. Todas as casas da vila foram demolidas e os moradores que não aceitaram ir para imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida ou receber indenização foram realocados em casas padronizadas construídas pela prefeitura, que também reurbanizou a região.

Edição: Aécio Amado

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Teste rápido de COVID-19
Saúde

Guarulhos faz testes rápidos para covid-19

A testagem é para pessoas que tiveram contato com pacientes infectados, motoristas de transporte público, entregadores de aplicativos e trabalhadores da segurança pública.

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real
Economia

Inflação medida pelo INPC registra 0,44% em julho

O INPC ficou acima do IPCA, que mede a inflação oficial, e que registrou taxas de inflação de 0,36% em julho, de 0,46% no ano e de 2,31% em 12 meses. Os produtos alimentícios tiveram alta de 0,14%.

Jericoacoara
Geral

ICMBio reabre amanhã o Parque Nacional de Jericoacoara, no Ceará

Portaria suspendeu visitação a unidades de conservação federais em março, para prevenir a disseminação do novo coronavírus. A reabertura respeita as normas dos municípios.

Gasolina
Economia

Inflação de julho foi puxada por preços da gasolina e eletricidade

Segundo IBGE, os combustíveis, de uma forma geral, subiram 3,12%, devido a aumentos de preços no óleo diesel (4,21%), etanol (0,72%) e gás veicular (0,56%).

Comércio de rua em Brasília.
Economia

Inflação oficial fica em 0,36% em julho, diz IBGE

Com o resultado, o IPCA acumula taxas de inflação de 0,46% no ano e de 2,31% em 12 meses, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Destruição provocada por explosão em Beirute
Internacional

Mortes por explosão em Beirute sobem para 154

Ministro da Saúde, Hamad Hasan, disse que uma em cada cinco, das 5 mil pessoas feridas na explosão de terça-feira (4), precisou de hospitalização e 120 estavam em estado crítico.