Pesquisa aponta jovens brasileiras como as que mais querem empreender

Publicado em 08/03/2017 - 17:54 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Pesquisa divulgada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) revela que as jovens brasileiras na faixa etária de 25 a 35 anos, moradoras no Rio de Janeiro e em São Paulo, são as que mais querem empreender, comparativamente a capitais de quatro países (Madri, Londres, Berlim e Moscou) e três grandes cidades (Nova York, nos Estados Unidos, Xangai, na China, e Bombaim, na Índia).

A sondagem mostra que 62,6% das jovens brasileiras querem abrir o próprio negócio nos próximos anos, seguida das russas, com 60,9%, e das indianas, com 58,4%, superando a média mundial de 43,5%. As cidades que registram os menores percentuais são Madri (24,2%), Berlim (31,5%) e Nova York (33,8%).

“O Brasil tem um potencial empreendedor muito grande e, entre as mulheres, esse potencial empreendedor também se destaca”, disse hoje (8) à Agência Brasil a especialista em pesquisa e estatística da Firjan Joana Siqueira.

Pesquisa sobre empreendedorismo

 

Além da realização de um sonho, a abertura do próprio negócio pelas brasileiras traduz uma busca por maior qualidade de vida. “E tem um fator que é muito importante para elas, que é a flexibilização do horário”, destacou Joana. Segundo a sondagem, 66,2% das mulheres apontaram a liberdade de horário como uma das principais razões para abrir o próprio negócio. Entre os homens, o percentual foi 54,7%.

A sondagem mostra que a maioria das jovens empreendedoras prefere ser a única dona do empreendimento (55,2%). Diferentemente dos homens, cuja maior parcela busca sempre abrir um negócio em sociedade – 55,7% dos jovens empreendedores do sexo masculino têm parceiros no negócio.  Joana Siqueira destacou que, pelo fato de as jovens quererem ter mais liberdade e controlar melhor o seu tempo, elas preferem entrar na empreitada sozinhas, enquanto os homens dão preferência à abertura de negócios com algum sócio para dividir a responsabilidade.

Mercado formal

De acordo com a pesquisa, o empreendedor, seja homem ou mulher, passa primeiro pelo mercado de trabalho antes de empreender. “O empreendimento não é uma questão circunstancial devido à necessidade ou à falta de oportunidade. Na verdade, é a realização de um sonho. Ele teve oportunidade no mercado formal mas, ainda assim, quer empreender.” Joana Siqueira ressaltou que muitos empreendedores, inclusive, continuam com o emprego formal e com o próprio negócio por algum tempo, até conseguir estabilidade.

As jovens empreendedoras se sentem mais realizadas (48,3%) do que os homens (43,8%) e também do que as mulheres que não empreendem (20,5%). Entre os homens não empreendedores, o percentual de realização pessoal é de 31,1%. “De fato, o empreendimento é uma realização, uma conquista. Eles se sentem muito recompensados por isso. Mesmo diante de todas as dificuldades que encontram pelo caminho, eles se sentem mais plenos.”

Embora a maioria prefira ser a única dona do negócio, a jovem empreendedora procura estabelecer redes de contato profissionais. É uma questão marcante entre os empreendedores de forma geral. Há mais gosto pelo networking e pela liderança. “Eles gostam de liderar e de estar à frente das empreitadas e tarefas”. O networking é uma realidade para 90% das jovens empreendedoras e para 92% dos homens, mostra a pesquisa, que faz um recorte do levantamento Jovens Empresários Empreendedores. Foram entrevistados 5.681 jovens profissionais dos oito países, na mesma proporção entre homens e mulheres.

Empoderamento

Aos 23 anos, Lívia Ressiguier decidiu largar o emprego em uma empresa da área de saúde e abrir o próprio negócio, em sociedade com a mãe, na Região dos Lagos, no ramo de semijoias e acessórios. “O sonho da maioria dos jovens é abrir o próprio negócio, ter horário flexível. Aí, eu arrisquei nessa coisa de empreender”, disse.

Hoje, aos 37 anos, Lívia tem duas lojas, em Araruama e Cabo Frio, que são tocadas pela mãe, e abriu uma empresa de revenda de bijuterias, em Niterói, que vai completar quatro anos em julho. “É minha paixão hoje. Sinto-me muito realizada com o que eu faço.”

A empresária oferece às suas consultoras a revenda de semijoias como uma oportunidade de negócio. “O meu foco é trabalhar o empoderamento e o empreendedorismo feminino, fazer com que as nossas consultoras acreditem que qualquer pessoa, desde que tenha vontade e preparação, pode empreender tanto na carreira como nos negócios”. Lívia tem atualmente 88 consultores – 87 mulheres e um homem.

Edição: Juliana Andrade

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Pessoas que usam máscaras caminham ao longo do cais do oceano enquanto os Estados Unidos passaram na quinta-feira um total de mais de 4 milhões de infecções por coronavírus durante o surto global da doença por coronavírus (COVID-19) em
Internacional

Estados Unidos tem mais 457 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

Embora Nova Iorque já não seja o estado com o maior número de infecções, continua a ser o que contabiliza mais mortes (32,7 mil), número superior ao de países como França ou Espanha.

Stephanie Soares
Esportes

A história peculiar de uma aposta do basquete brasileiro

Com apenas 20 anos de idade, a jogadora de basquete brasileira Stephanie Soares tem talento incomum. E uma trajetória também.

O presidente da Russia, Vladimir Putin, durante Diálogo dos Líderes com o Conselho Empresarial do BRICS
Internacional

Rússia anuncia primeira vacina contra a covid-19

Produto foi aprovado pelo Ministério da Saúde. A Rússia espera agora poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança do produto.

Idosos moradores do Lar São José, em Sobradinho, no Distrito Federal, recebem presentes de Natal
Direitos Humanos

Covid-19: mais de 330 abrigos de idosos já receberam doações

As instituições que já receberam as doações representam 67% dos abrigos cadastrados na primeira etapa da Campanha Solidarize-se, ação promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.