Deságio de 36,5% em leilão de energia mostra competitividade, diz ministro

Publicado em 24/04/2017 - 16:17 Por Fernanda Cruz - Repórter da Agência Brasil - São Paulo

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho, disse que o aumento da competitividade entre os consórcios resultaram no alto deságio (36,5% em média) registrado no leilão de energia realizado nesta segunda-feira (24) em São Paulo. Foram leiloadas concessões para construção, operação e manutenção de linhas de transmissão e subestações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“Pela qualidade de empresas [participantes], pelo apetite delas, o volume de investimento, isso mostra que, de fato, a gente está dando a volta por cima neste momento de recessão. Estou extremamente animado e saio daqui confiante. Isso foi fruto de muita conversa e de um trabalho coletivo. As empresas deram demonstração muito clara de confiança no país”, declarou.

O presidente da Aneel, Romeu Rufino, disse que o deságio expressivo mostra o êxito do processo competitivo e é resultado do melhor ambiente de negócios. O alto deságio vai levar à desaceleração da tarifa para os consumidores. “Houve remuneração justa, adequada. Não acreditamos no leilão que não coloca preço realista. Este leilão reforça esta tese.”

O deságio de 36,5% trará economia de R$ 24,2 bilhões para os consumidores brasileiros no período de 30 anos, tempo das concessões leiloadas hoje. Para Rufino, os novos empreendedores que participaram do certame estimularam a competição, e isso sinaliza o sucesso também dos próximos leilões.

Entre as empresas novas, chamou a atenção das autoridades a participação da indiana Saterlite Power, que disputou o leilão de hoje. “Essas empresas estão familiarizadas com o mercado brasileiro e foram para um número muito seguro no lance que estavam dando”, disse o ministro. Segundo a Aneel, a empresa já conta com grandes investimentos em linhas de transmissão na Índia e vinha, há alguns meses, preparando-se para a licitação no Brasil.

No total, participaram 21 consórcios e 50 agentes distintos. Foram arrematados 31 dos 35 lotes oferecidos. Os investimentos abrangem 20 estados brasileiros e chegam a R$ 12,7 bilhões. Todas as subestações disponibilizadas foram arrematadas, assim como 96% das linhas ofertadas. Participaram, em média sete concorrentes em cada lote. No último leilão do setor, a participação foi de quatro agentes por lote.

Edição: Lidia Neves

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Voltar ao topo da página