Indicador Antecedente de Emprego da FGV registra alta em maio

Em médias móveis trimestrais, o indicador recuou 16,4 pontos

Publicado em 09/06/2020 - 10:26 Por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Após atingir o mínimo histórico em abril e acumular perda de 52,6 pontos no trimestre de fevereiro a abril, o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getulio Vargas (FGV) subiu 3,0 pontos em maio e atingiu 42,7 pontos. De acordo com a FGV, em médias móveis trimestrais, o IAEmp recuou 16,4 pontos, passando a 55,0 pontos.

Após atingir o menor nível desde 2008 em abril, o IAEmp registrou, em maio, variação positiva. Para o economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação (FGV-IBRE) Rodolpho Tobler, apesar de ter sido positivo em maio, depois de atingir em abril o menor nível desde 2008, o resultado pode ser interpretado como uma acomodação do índice em patamar muito baixo, considerando que esse ainda é o segundo menor valor da série.

“A elevada incerteza ainda não permite imaginar cenários de recuperação do mercado de trabalho no curto prazo, o que deve fazer com que o indicador continue registrando números baixos nos próximos meses”, avaliou Tobler.

ICD

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) subiu 1,2 ponto em maio, alcançando 99,6 pontos. Segundo a FGV, esse é maior patamar desde outubro de 2018, quando atingiu 100,2 pontos. O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, por isso, quanto maior o número, pior o resultado. 

Nas médias móveis trimestrais, o aumento é de 2,5 pontos chegando a 96,8 pontos. Na visão de Rodolpho Tobler, o indicador reflete tendência negativa do mercado de trabalho. “O ICD mantém, em maio, a tendência de piora no mercado de trabalho iniciada nos últimos meses. O resultado sugere que a taxa de desemprego deve sofrer impacto negativo já no segundo trimestre, e ainda sem indicações de reversão dessa tendência no curto/médio prazo”, observou.

Destaques

Ainda conforme a FGV, cinco dos sete componentes do IAEmp subiram em maio, o que sugere acomodação após o baque do mês anterior. Os que mais subiram no mês foram os indicadores de Emprego Previsto no setor de Serviços e de Tendência dos Negócios da Indústria. Na margem, respectivamente, variaram 5,6 pontos e 5,5 pontos. 

De acordo com a FGV, no mesmo período, o aumento do ICD foi influenciado por todas as quatro classes de renda familiar. A maior contribuição para o resultado foi dada pela classe familiar com renda até R$ 2.100 e pela classe com renda entre R$ 2.100 e R$ 4.800. Nessas classes, o Emprego Local Atual variou negativamente em 2,0 pontos e 1,4 ponto na margem.

IAEmp e ICD

Relacionado, positivamente, ao nível de emprego no país, o IAEmp é elaborado a partir da combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, e antecipa os rumos do mercado de trabalho no país. Já o ICD é construído com base nos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, do quesito da Sondagem do Consumidor que capta a percepção do entrevistado a respeito da situação presente do mercado de trabalho. Assim, o indicador capta a percepção das famílias sobre o mercado de trabalho, sem refletir, por exemplo, a diminuição da procura de emprego motivada por desalento. O ICD varia no mesmo sentido na taxa de desemprego.

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro
Economia

Custo da cesta básica caiu em 13 capitais no mês de julho, diz Dieese

 Por conta da pandemia, o Dieese suspendeu a coleta presencial de preços e começou a coletar os preços por meio de telefone, aplicativos de entrega, email e consultas na internet.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Hospital das Clínicas de Campinas começa testes de vacina contra covid

O Instituto Butantan deve concluir em outubro ou novembro os testes com cerca de 9 mil voluntários em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Agente penitenciário
Geral

Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas coletou informações sobre a percepção dos profissionais sobre impactos da pandemia no trabalho, no bem-estar e nas relações com os presos.

Poupança
Economia

Captação da poupança bate recorde para meses de julho

Depósitos na caderneta superaram saques em R$ 27,14 bilhões no mês passado. Nos sete primeiros meses do ano, captação acumulada chega a R$ 111,58 bilhões.

Justiça

Órgãos assinam termo de cooperação sobre acordos de leniência

O TCU passa a participar das negociações conduzidas pela CGU, AGU e MPF na celebração de acordos de leniência com empresas acusadas de desviar recursos públicos.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa

O contrato com a farmacêutica chinesa permite ao Butantã começar a produzir e envasar a Coronavac a partir de outubro deste ano, disse Dimas Covas.