Dólar cai para R$ 5,27, mas tem primeira alta semanal desde março

Bolsa sobe 0,97% no dia, mas termina semana em queda

Publicado em 14/05/2021 - 19:47 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil* - Brasília

Num dia de tranquilidade no mercado financeiro, o dólar voltou a cair para abaixo de R$ 5,30. Apesar do desempenho na sessão, a divisa teve a primeira alta semanal após seis semanas seguidas de queda. A bolsa de valores recuperou-se nesta sexta-feira (14), mas fechou a semana com leve baixa.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,271, com recuo de R$ 0,042 (-0,8%). Na mínima da sessão, por volta das 13h30, a cotação chegou a cair para R$ 5,24, mas o ritmo de queda reduziu-se durante a tarde.

Mesmo com a queda de hoje, a divisa fechou a semana com valorização de 0,81%. A moeda norte-americana acumula queda de 2,96% em maio e alta de 1,59% em 2021.

No mercado de ações, a bolsa teve o segundo dia seguido de alta. O índice Ibovespa, da B3, fechou esta sexta aos 121.872 pontos, com ganho de 0,97%. O indicador praticamente repôs as perdas da última quarta-feira (12), quando tinha registrado a maior queda diária desde o início de março. Embora tenha subido hoje, o Ibovespa fechou a semana com recuo de 0,13%.

O mercado financeiro global está atento ao ritmo de recuperação da economia dos Estados Unidos. Na quarta-feira, a divulgação de que a inflação para os consumidores norte-americanos em abril teve a maior alta para o mês em 12 anos provocou tensões em todo o mundo. No entanto, a divulgação de que as vendas no varejo não estão reagindo como o esperado diminuíram as pressões sobre o dólar.

Desde o início da pandemia de covid-19 nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) mantém os juros básicos da maior economia do planeta entre 0% e 0,25% ao ano, no menor nível da história. A medida foi tomada para combater a crise econômica provocada pela doença.

A recuperação da atividade econômica norte-americana, decorrente do pacote de estímulos do governo do presidente Joe Biden e do ritmo de vacinação, aumentam as expectativas de que os juros podem subir antes de dezembro de 2022. Taxas mais altas em economias avançadas pressionam o dólar em países emergentes, como o Brasil.

*com informações da Reuters

Edição: Bruna Saniele

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias