Maternidade-escola da UFC se torna referência em boas práticas de atendimento

Publicado em 20/08/2016 - 10:21 Por Edwirges Nogueira - Correspondente da Agência Brasil - Fortaleza

Maternidade escola Assis Chateaubriand, da Universidade Federal do Ceará

Maternidade-escola Assis Chateaubriand, da Universidade Federal do CearáEdwirges Nogueira/Agência Brasil

Conhecida pelas boas práticas de atendimento a mães e recém-nascidos, a Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac), em Fortaleza, tornou-se um exemplo a ser seguido por outros estabelecimentos de saúde do Nordeste e do Brasil. O Ministério da Saúde concedeu à unidade o primeiro título de Centro de Apoio ao Desenvolvimento da Atenção Obstétrica e Neonatal do país. Com isso, os projetos e as ações do hospital podem ser adotados em outros hospitais.

Quem anda pelos corredores da Meac se depara com paredes pintadas com motivos infantis e fotos de bebês. Ao lado da UTI Neonatal, um grande painel grafitado mostra criaturas do fundo do mar. Nos corredores das enfermarias, fotos de recém-nascidos que passaram pela unidade encantam pais, visitantes e profissionais. Em um dos leitos, um pai segura seu bebê nos braços. A livre permanência do companheiro ou companheira nas enfermarias é uma das boas práticas da instituição.

“Eu acredito que essa assistência diferenciada tem impacto muito significativo na saúde da paciente e de sua criança. Ninguém pode olhar melhor para sua esposa do que seu próprio companheiro. Se algo estiver errado, ele vai alardear, vai buscar socorro imediatamente. Isso aumenta a segurança para a paciente e também o seu conforto e gratidão”, destaca o gerente de Atenção à Saúde do hospital, Carlos Augusto Alencar Júnior.

A maternidade-escola é referência no Ceará em gestação de alto risco. Foi por causa dessa característica que a dona de casa Maralina Gomes dos Santos, 24 anos, foi encaminhada à unidade. A situação de pré-eclâmpsia grave fez com que Gael, hoje com um mês, nascesse prematuro, no sétimo mês de gestação.

Após ter dificuldades na amamentação, mãe e filho foram encaminhados para a unidade Canguru, onde os profissionais estimulam o contato físico constante entre pais e bebês. Dez dias depois, Gael já consegue se alimentar quase integralmente mamando no peito e está prestes a sair da sonda. A evolução também se reflete no peso: ele nasceu com 1,680 quilo (kg) e hoje já está com 2,556 kg.

“Quem é mãe de primeira viagem tem certas dúvidas, principalmente com bebês prematuros: não sabe como pegar direito, qual a forma certa de dar banho, trocar uma fralda. Aqui nos ensinam a cuidar deles. Passamos a maior parte do tempo com eles no colo e isso é muito legal. Tanto é bom para a mãe quanto para o filho.”

O pai de Gael, Jonathan Nunes de Sousa, 22 anos, também faz parte da unidade Canguru. O contato próximo com o filho é estimulado todos os dias. “Eu gosto de ficar perto dele e dela. Fico com ele nos braços, converso, dou aquela atenção e aquele amor, que acho essenciais entre pai e filho.” Os bons resultados da unidade fizeram da Meac um hospital formador do método Canguru.

Outras atividades que se destacam entre as boas práticas do hospital são a visitação de avós e irmãos aos bebês internados na UTI neonatal e a utilização de métodos não medicamentosos para alívio da dor durante o trabalho de parto, como alongamentos e massagens. A maternidade tem um centro de parto normal com dez salas individuais.

O título de Centro de Apoio é um reconhecimento adotado pelo Ministério da Saúde para fazer com que determinados hospitais se tornem multiplicadores de boas práticas no atendimento obstétrico e neonatal. Até então, a única unidade considerada matriciadora dessas boas práticas era o Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte (MG). A maternidade-escola da UFC passou por rigorosa avaliação que durou três anos. Ao tornar o hospital o primeiro Centro de Apoio, o ministério segue com o planejamento de conceder esse reconhecimento a outras unidades – pelo menos uma por região.

“Na prática, somos uma vitrine, o que nos dá uma responsabilidade muito grande. A gente passa a ser uma instituição que pode ser vista, visitada e replicada. Podemos passar a mostrar que o que fazemos é adequado ao que o Ministério da Saúde considera como boas práticas para o parto e nascimento. Tudo visa a um atendimento com segurança e qualidade. A rebote do que consideramos assistência de qualidade, sem dúvida, vem o ensino adequado”, afirma Alencar Júnior. A unidade faz parte do complexo de hospitais da Universidade Federal do Ceará (UFC) e é gerenciada pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

A partir desse reconhecimento, há também uma expectativa de que a população procure mais a maternidade, que funciona integralmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Por sua característica de atendimento a gestações de alto risco, o hospital já recebe grande número de mães e bebês que necessitam de cuidados intensivos.

Neste ano, a UTI neonatal ficou superlotada em dois momentos. Segundo o gerente de Atenção à Saúde, um novo prédio está em construção para melhorar a emergência e ampliar as UTIs, que passarão de 21 para 30 leitos. A unidade de médio risco, hoje com 30 leitos, terá sua capacidade dobrada para 60.

A unidade Canguru, que hoje recebe cinco famílias, vai poder atender a 12 e há o plano de expandir o método para todos os setores do hospital. “Acredito que teremos de, continuamente, nos remodelar, pois as boas práticas de hoje podem ser modificadas a cada dia. Isso somente aumenta nossa responsabilidade de fazer um serviço que satisfaça cada vez mais a população”, ressalta Alencar Júnior.

Edição: Graça Adjuto

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.