Complexidade de conflitos desafia ação humanitária da Médicos Sem Fronteiras

Publicado em 03/05/2017 - 17:11 Por Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O agravamento dos conflitos atuais vem colocando em risco profissionais de saúde que atuam nas frentes de batalha, tornando ainda mais difícil o trabalho de entidades humanitárias, como o Médicos Sem Fronteira (MSF) e outras semelhantes. O alerta foi feito pela diretora-geral da organização no Brasil, Susana de Deus, que participou hoje (3) do lançamento do Guia de Fontes em Ajuda Humanitária, no Rio de Janeiro.

Dirigido a jornalistas, o manual traz os contatos de organizações, agências multilaterais e órgãos governamentais atuantes em cenários de guerra, seja em campo ou em fóruns internacionais, e de pesquisadores em centros de estudos e universidades no Brasil especializados em temas relacionados à ajuda humanitária

“Nosso principal desafio é a complexidade dos conflitos atuais, a dificuldade de acesso às populações, muitas delas encurraladas entre várias frentes de combate. Há também o desafio da falta de segurança nos Estados que não respeitam o direito internacional humanitário e que continuam a bombardear hospitais, mercados e localidades com civis”,  disse Susana.

No ano passado, ocorreram 50 bombardeios e ataques de artilharia contra 21 hospitais do MSF ou a instituições apoiadas pela entidade, sendo 19 na Síria e dois no Iêmen. Em 2015, o quadro foi ainda mais grave, com 106 bombardeios e ataques a 75 hospitais próprios ou apoiados pelo MSF, dos quais 63 na Síria, cinco no Iêmen, cinco na Ucrânia, um no Afeganistão e um no Sudão.

“O que está acontecendo hoje é extremamente grave. Nos últimos dois anos, morreram vários profissionais de saúde, e não só do Médicos Sem Fronteiras. Na Síria, foram mortos tantos médicos que as cidades ficaram sem acesso à saúde”, disse Susana, que é portuguesa e há quatro anos mora no Brasil.

Segundo a diretora da organização, a receita para trabalhar em condições extremas de segurança é seguir um protocolo baseado em logística que garanta o atendimento mesmo em regiões com guerras abertas.

“Temos equipes e protocolos de atenção médica bastante organizados e rígidos, boa logística e supervisão de nossos profissionais, o que nos assegura um bom trabalho sob condições extremamente precárias em muitos países. São áreas difíceis de trabalhar, que requerem segurança em relação a áreas onde podemos, ou não, circular. Isso requer muita logística e análise de contexto”, afirmou a médica.

“O MSF é uma organização composta por médicos extremamente apaixonados, cujo trabalho exige muita proximidade com o paciente, um contato direto com a população. Isso cria uma empatia muito forte com o sofrimento de quem estamos ajudando”, disse Susana.

A organização tem cerca de 35 mil colaboradores no mundo – 29 mil trabalhando diretamente nas frentes humanitárias em 70 países. A entidade sobrevive de doações, mas não aceita verbas dos países diretamente envolvidos nos conflitos. É uma forma de garantir sua independência. Outras informações podem ser acessadas na página da entidade na internet .

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O presidente da Russia, Vladimir Putin, durante Diálogo dos Líderes com o Conselho Empresarial do BRICS
Internacional

Rússia anuncia primeira vacina contra a covid-19

Produto foi aprovado pelo Ministério da Saúde. A Rússia espera agora poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança do produto.

Idosos moradores do Lar São José, em Sobradinho, no Distrito Federal, recebem presentes de Natal
Direitos Humanos

Covid-19: mais de 330 abrigos de idosos já receberam doações

As instituições que já receberam as doações representam 67% dos abrigos cadastrados na primeira etapa da Campanha Solidarize-se, ação promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres
Internacional

Boris Johnson teme que Reino Unido perca poder se Escócia se separar

Escócia depositou 55% dos votos contra a independência em um referendo de 2014, mas o Partido Nacional Escocês, que governa a nação, quer outro pleito.

Incendios florestais entre Miranda e Corumbá BR 262 e MS 184
Geral

Engajamento da população é vital para evitar incêndio na natureza

Coordenador ambiental diz que a educação tem que começar desde os primeiros anos das crianças, tanto em casa quanto nas escolas.