Defesa de ex-policial preso nega envolvimento na morte de Marielle

Além de negar acusação, Orlando da Curicica revelou o suposto delator

Publicado em 10/05/2018 - 17:06 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A defesa do ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando da Curicica, negou, nesta quinta-feira (10), que ele tenha qualquer envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Curicica, que está preso em Bangu 9, acusado de participação em milícia, escreveu uma carta, datada de ontem (9), garantindo que sequer conhecia Marielle e que nunca esteve com o vereador Marcello Siciliano (PHS), conforme um delator afirmou em depoimento à polícia.

O advogado Pablo Andrade, que defende Curicica, ressaltou que seu cliente ficou “surpreso e espantado” com as denúncias feitas pelo delator, que contou sua versão dos fatos em troca de proteção policial. Segundo o advogado, o informante é um policial militar da ativa, que inclusive teve nome e batalhão revelados na carta escrita por Curicica.

“É uma testemunha sem qualquer credibilidade. Por ser um policial da ativa, todas as argumentações dele caem por terra, porque ninguém é obrigado a trabalhar por dois anos em uma milícia. Isso não existe”, sustentou o advogado.

Segundo ele, Curicica jamais esteve com Siciliano ou Marielle e o seu desejo é que as investigações terminem o mais rápido possível, apontando quem matou a vereadora.

“O que a gente quer é provar, o mais rápido possível, que o Orlando não tem nenhuma relação nem com Marielle nem com o vereador Marcello Siciliano. Nunca estiveram juntos. Orlando nunca tinha ouvido falar de Marielle, como todo o respeito a vereadora, como ele mesmo citou [na carta]. O que a gente espera é uma apuração profunda nessas informações, que são contraditórias. E que isso seja feito o mais rápido possível, pois todo mundo quer saber quem matou Marielle”, declarou.

Perguntado qual seria o objetivo do informante da polícia em apontar seu cliente como envolvido na morte da parlamentar, o advogado considerou que seria uma atitude de desespero das autoridades policiais em elucidar o caso.

“Eu não acho que seja algo para prejudicar [o meu cliente]. Eu vejo uma situação desesperada, de uma administração atrapalhada, de uma investigação que, depois de 57 dias, não entregou nada e acho que, num ato de desespero, vazou essa informação. É no intuito de dar uma resposta à sociedade, mas é preciso muita cautela nessa situação. É preciso responsabilidade nessa investigação”, frisou Andrade.

Edição: Davi Oliveira

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
 senador Marcos Rogério (DEM-RO)
Política

Senado  ratifica o Protocolo de Nagoia no Brasil

Documento aprovado no Senado regulamenta o acesso e a repartição de benefícios dos recursos genéticos da biodiversidade. O texto segue para promulgação.

Live da Semana - Presidente Jair Bolsonaro - 06/08/2020
Política

Pazuello diz que estados estão mais preparados para enfrentar pandemia

Ministro interino da Saúde participou de live ao lado do presidente. Mudança de protocolo do ministério foi um dos fatores que deixou estados mais preparados.

A cúpula  maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.
Política

Senado aprova redução de prazos para revalidação de diplomas

O PL prevê a revalidação em prazo entre 30 e 60 dias no caso de instituições estrangeiras reconhecidas pelo Ministério da Educação e contam com um processo simplificado. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

Justiça suspende retorno das aulas presenciais na rede privada do DF

A retomada foi autorizada na terça-feira pela primeira instância após outra decisão que a proibiu. Algumas escolas chegaram a retomar as atividades nesta quinta-feira.

Saúde

Ministério da Saúde monitora síndrome em crianças associada à covid-19

Síndrome inflamatória multissistêmica ocorre em crianças de 7 meses a 16 anos. Até agora, foram notificados 71 casos no Brasil e registradas três mortes.

Incêndio no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Divulgação/Parnaso)
Geral

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Criado em 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país e costuma ser procurado para prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada e rapel.