Apenas 8 Unidades da Federação têm renda domiciliar maior que a média

Os dados são do IBGE

Publicado em 27/02/2019 - 11:42 Por Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Pesquisa divulgada hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indica que, no ano passado, em apenas oito das 27 Unidades da Federação o rendimento nominal mensal domiciliar per capita da população residente é superior à média nacional, de R$ 1.373.

Os dados mostram as disparidades significativas entre as diversas regiões do país. No Norte e Nordeste, por exemplo, estão localizadas as três Unidades da Federação com menor rendimento nominal mensal domiciliar per capita do país: Maranhão, o de menor renda per capita, com apenas R$ 605, e Alagoas, com R$ 714, ambas na Região Nordeste; e o Amazonas, na Região Norte, onde a renda per capita domiciliar é de R$ 791.

Em contrapartida, a Unidade da Federação com o maior rendimento nominal mensal domiciliar per capita da população residente é o Distrito Federal, de R$ 2.460. O rendimento domiciliar per capita da capital do país chega a ser mais de quatro vezes o rendimento per capita de Alagoas.

Das oito Unidades da Federação com os maiores rendimentos per capita, três estão situadas na Região Sul, três no Centro-Oeste e duas no Sudeste.

Além do Distrito Federal, aparecem entre as oito unidades de maior rendimento São Paulo (a segunda maior renda com R$ 1.898) e Rio de Janeiro (a terceira maior com R$ 1.689), ambas no Sudeste; Paraná (R$ 1.607), Santa Catarina (1,660) e Rio Grande do Sul (R$ 1.705), ambas na Região Sul; e Mato Grosso do Sul (R$ 1.439) e Mato Grosso (R$ 1.386), na Região Centro-Oeste.

PNAD Contínua

Os rendimentos domiciliares per capita referentes a 2018 para o Brasil e Unidades da Federação foram calculados pelo IBGE com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e enviados ao Tribunal de Contas da União (TCU), para atender disposto na Lei Complementar 143/2013, que estabelece os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE).

O rendimento é calculado como a razão entre o total dos rendimentos domiciliares (em termos nominais) e o total dos moradores. São considerados os rendimentos de trabalho e de outras fontes de todos os moradores, inclusive os classificados como pensionistas, empregados domésticos e parentes dos empregados domésticos.

Os valores foram obtidos a partir dos rendimentos brutos efetivamente recebidos no mês de referência da pesquisa, acumulando as informações das primeiras entrevistas dos quatro trimestres da PNAD Contínua de 2018.

A PNAD Contínua, por sua vez, é uma pesquisa domiciliar que, a cada trimestre, capta informações socioeconômicas e demográficas em cerca de 211 mil domicílios, em aproximadamente 16 mil setores censitários, distribuídos em cerca de 3,5 mil municípios.

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O Dia do Índio, celebrado no Brasil em 19 de abril
Direitos Humanos

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi

Segundo relatório do Conselho Indigenista Missionário, houve aumento de ocorrências em 16 das 19 categorias de agressões, que incluem racismo, expropriação de terras e omissão do poder público.