Caso Ágatha: PMs decidem colaborar na reconstituição do crime

Inicialmente nenhum dos policiais envolvidos participaria da simulação

Publicado em 01/10/2019 - 22:54 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Três policiais militares, sendo dois deles envolvidos diretamente na cena da morte da menina Ágatha Félix, decidiram colaborar na reprodução simulada do crime, realizada na noite desta terça-feira (1º), no Complexo do Alemão. Inicialmente, foi divulgado pelo diretor do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP), delegado Antônio Ricardo, que nenhum dos 11 PMs envolvidos, direta ou indiretamente, no caso participaria da reconstituição por orientação de suas defesas.

Porém, três mudaram de ideia e resolveram colaborar. Dois que estiveram diretamente envolvidos na dinâmica da ação foram efetivamente ouvidos durante a reprodução dos fatos, na localidade conhecida como Fazendinha. Eles sustentaram que dois ocupantes de uma moto passaram atirando contra a equipe de policiais, na noite de 20 de setembro, quando houve a troca de tiros que vitimou Ágatha dentro de uma Kombi.

“Dois policiais militares compareceram e prestaram as suas informações. Eles vieram por livre e espontânea vontade. Foram seis civis, testemunhas, e dois PMs, totalizando oito pessoas. Esses dois policiais participaram da ocorrência. Eles estão diretamente relacionados a ela. O laudo pericial, nós pretendemos divulgar em 30 dias, quando vamos chegar à conclusão de acordo com o que foi apurado nesta reprodução simulada”, disse Antônio Ricardo.

A reprodução começou por volta das 18h30 e durou pouco mais de três horas, quando parte de uma das ruas da comunidade ficou bloqueada ao trânsito de veículos e de pedestres, terminando por volta das 22h. A imprensa que cobria a reconstituição foi aconselhada a sair do Complexo do Alemão em grupo, por questão de segurança, um pouco antes do fim dos trabalhos, descendo o morro a pé.

Histórico

A menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, morreu depois de ter sido baleada quando viajava com a mãe, Vanessa Sales, em uma Kombi, na comunidade Fazendinha, no Complexo do Alemão, na noite do dia 20 de setembro.

Ágatha foi levada para uma Unidade de Pronto Atendimento no Alemão, de onde foi transferida para o Hospital Getúlio Vargas, onde chegou a ser operada durante cinco horas, mas não resistiu.

A Polícia Militar diz que houve confronto entre policiais e traficantes. Entretanto, os familiares de Ágatha e o motorista da Kombi afirmam que não houve tiroteio.
 

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.