Ocupação Alceu Valença faz público mergulhar na vida e obra do artista

Mostra gratuita vai até 2 de fevereiro, no Itaú Cultural em São Paulo

Publicado em 14/12/2019 - 18:30 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil - São Paulo

A Ocupação Alceu Valença, a 48ª mostra da série Ocupação Itaú Cultural, foi inaugurada hoje (14) na capital paulista e se estende até 2 de fevereiro, com visitação gratuita. A programação encerra 2019 com uma homenagem ao artista, que é cantor, compositor, instrumentista e advogado brasileiro, nascido em São Bento do Una, no agreste de Pernambuco.

A mostra permite ao público percorrer seu imenso acervo, dos versos às rimas, do baião ao frevo, do circo ao cinema, observando elementos que remetem à sua vida e obra. Os visitantes terão acesso a fotografias, poemas, músicas, audiovisuais, objetos e produções literárias de sua autoria. Há ferramentas de acessibilidade e conteúdos digitais, com QR Codes e uma experiência imersiva em realidade virtual em 360 graus narrada pelo próprio Alceu.

alceu_e_sua_mae_1947_foto_acervo_familiar_2
Alceu Valença e sua mãe, Adelma, em 1947 - Acervo de familia

A pesquisa para a mostra começou no acervo da mãe do músico, Adelma Valença, que morreu em outubro de 2018 aos 104 anos. Sua mãe foi um forte estímulo na carreira musical de Alceu. Foi ela quem deu ao músico seu primeiro violão, a contragosto do marido que queria ver o filho alcançando diploma em direito. E Alceu também se formou advogado. Desde o início da carreira do filho, ela passou a guardar tudo o que dizia respeito a ele. São cinco décadas de carreira, aos quais o público terá acesso na Ocupação, que está dividida em seis eixos.

alceu_palco_1969_foto_acervo_familiar
Alceu Valença em 1969 - Acervo Familia

“Eu acho que a exposição pra mim foi fantástica na medida em que eu vi coisas que eu não veria mesmo, porque eu não sou de guardar documentos, guardar fotos, nada disso. Essa exposição teve como base o acervo que minha mãe, dona Adelma, fazia desde eu pequeno e minha irmã Adelminha”, contou Alceu Valença. “E depois, minha mulher Yanê há 15 anos fez esse acervo. O problema é que eu fui ganhando prêmios, reportagens, ao longo dessa carreira. Eu lia e entregava para as pessoas que trabalhavam comigo, desde que comecei a minha carreira. Mas foi muito bom ter visto tantas coisas aí, fotos incríveis, maravilhoso”.

Uma das curiosidades que a mostra revelou é que Alceu subiu pela primeira vez em um palco aos seis anos para concorrer em um concurso de talentos mirins de sua cidade, alcançando o segundo lugar com a música Meu bem, de Capiba. Quando tinha 26 anos, em 1972, a carreira disparou com o disco de estreia gravado em parceria com Geraldo Azevedo. Até hoje, o músico já gravou 31 discos.

Formação

Nascido na Fazenda Riachão, desde pequeno Alceu foi influenciado pela cultura de sua terra natal: a feira da cidade, o circo, o cinema, a vaquejada, os aboiadores e violeiros. A Ocupação mostra que suas primeiras influências vieram dos cantadores de feira, de Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga e Marinês e que eles são a base de sua personalidade musical.

No primeiro dos seis eixos da Ocupação, o público entra em uma antessala, na qual se lê seu poema O Tempo, que está exposto também em braile. Na sequência, há um espaço com baixa luminosidade, pontuado de estrelas, que é uma referência à luneta de seu filme A Luneta do Tempo (2014) e à constelação da família. Há ainda uma projeção de A Noite do Espantalho, filme de Sérgio Ricardo, em que Alceu fez papel principal e representou o Brasil no Oscar para o melhor filme estrangeiro no ano de 1975.

O segundo eixo percorre sua obra, parcerias e estrada e o terceiro segue por Olinda. Aqui, o público pode conferir a gravação de um trecho do show que o cantor fez em Pernambuco e, quando percebeu a presença de Dom Helder Câmara na plateia, lhe fez uma homenagem.

gravacao_do_filme_a_luneta_do_tempo_2010_alceu_foto_antonio_melcop
Gravação do filme A Luneta do Tempo - Divulgação/Antonio Melcop

Uma porta dá acesso ao eixo 4, considerado o coração da mostra e representante do agreste, com paredes de barro, uma árvore feita de corda de sisal, uma projeção de São Bento do Una atualmente, imagens de A Luneta do Tempo, referências circenses e um vídeo em que o cantor pede chuva para o universo.

Já a passagem para o quinto eixo é feita entre uma lona de circo e, a partir dali, o público repassa toda a discografia de Alceu e acessa uma playlist criada pelo instituto com suas músicas para ouvir no Spotify, que é um serviço de acesso a músicas.

A saída pelo eixo 6 traz referências ao Carnaval com uma paisagem sonora do arquivo pessoal do cantor construída por sons carnavalescos. Há ainda uma vitrola com 18 discos disponíveis para o público ouvir.

Com curadoria de equipe do instituto, a exposição tem consultoria de Julio Moura, autor do livro A Luneta do Tempo – um diário dos bastidores do filme de Alceu Valença, e cenografia de Leopoldo Nóbrega, criador da figura do Galo da Madrugada, um dos maiores blocos da folia pernambucana, para o Carnaval de 2019 e para o próximo ano.

No site do Itau Cultural sobre a Ocupação, o público tem acesso a materiais inéditos, em textos e vídeos, desta e das outras ocupações já realizadas.

alceu_ensaio_no_carnaval_olinda2019_foto_antonio_melcop
Alceu Valença em ensaio no Carnaval de Olinda deste ano  - Divulgação/Antonio Melcop

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias