Carnaval de Brasília: foliões buscam alegria, segurança e diversidade

Bloco Rebu é lançado para acolher mulheres e LGBTQIAP+

Publicado em 18/02/2023 - 18:33 Por Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Alegria, segurança e irreverência marcaram o clima do Bloco Rebu, neste sábado (18), na Praça das Fontes do Parque da Cidade Sarah Kubitschek, em Brasília. A previsão dos organizadores é de reunir cerca de 15 mil pessoas no evento.

De acordo com as produtoras culturais e idealizadoras do bloco, Rafaella Ferrugem e Lolly Alves, a premissa do bloco é promover um espaço divertido e acolhedor para mulheres e para toda a comunidade LGBTQIAP+. 

“Somos três lésbicas que sentíamos falta de entretenimento no carnaval do Distrito Federal e decidimos criar, em 2019, um espaço que pudesse acolher com segurança esse grupo de mulheres lésbicas, bissexuais, pessoas não-binárias e transexuais com toda segurança possível”, disse Rafaella Ferrugem. “Nosso objetivo também é inspirar que outros eventos para esse público possam acontecer com mais frequência”, acrescentou.

Brasília (DF) 18/02/2023 - Ráfa Ferrugem (e), Loli (d participam da festa de rua do do Bloco de carnaval REBU. Foto Valter Campanato/Agência Brasil.
Rafaella Ferrugem e Lolly Alves, idealizadoras do Bloco Rebu, por Valter Campanato/Agência Brasil

Nos quatro dias de carnaval, o Governo do Distrito Federal (GDF) espera que cerca de 1,5 milhão de pessoas vão às ruas para aproveitar a folia brasiliense em mais de 100 blocos. Neste ano, o efetivo policial foi reforçado para garantir a segurança dos foliões na capital.

Animação 

Para a personal trainer Lílian Almeida, 46 anos, o bloco foi a melhor alternativa para celebrar 20 anos de amizade sem se preocupar com o risco de sofrer assédio sexual em outros eventos. 

“Escolhemos esse bloco porque acredito que em um espaço com maior diversidade, a segurança é melhor e não vai ter confusão. Acho que os eventos de carnaval melhoraram muito em Brasília, temos mais segurança para nos divertir sem assaltos ou assédios”, disse. 

A funcionária pública Janaína Maia, de 41 anos, reiterou que a escolha do grupo se baseou na segurança do bloco. 

“Essa é a minha primeira vez no carnaval do DF e optamos por esse bloco para nos divertirmos sem assédio sexual, importunações ou abordagens agressivas. A segurança fez diferença e aqui estamos vendo um ambiente acolhedor, com muitas crianças e um policiamento maior”, afirmou.

Já o analista de sistemas Rubens Oliveira, de 42 anos, destacou que o carnaval deste ano marca o retorno dos eventos com mais público em Brasília após o período de distanciamento social provocado pela pandemia de covid-19. 

“Tenho saído mais de casa, já que estou com a vacina [contra a covid-19] em dia e eu me sinto seguro para participar desses eventos. Vejo que as coisas estão realmente voltando ao normal”, desabafou.   

A artesã Elvira Lira, de 41 anos, tem a mesma sensação de Rubens. Para ela, este Carnaval marca o retorno à folia de rua na capital.

“Acho que todos nós estávamos precisando deste momento. É bom para mostrarmos que Brasília tem carnaval novamente, com alegria e segurança depois do período de pandemia que vivemos até pouco tempo”, disse. 

Edição: Aline Leal

Últimas notícias