Indígenas Guarani e Kaiowá são alvos de ataque em Dourados

Informações são do Conselho Indigenista Missionário (Cimi)

Publicado em 16/08/2023 - 21:38 Por Agência Brasil - Brasília

Indígenas da etnia guarani e kaiowá foi alvo de ataque de grupo armado na tarde desta quarta-feira (16), em Dourados, no Mato Grosso do Sul. De acordo com informações divulgadas pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), indígenas relataram que o grupo entrou no tekoha Avae'te, acampamento indígena próximo à reserva de Dourados, e disparou várias vezes. Ninguém ficou ferido.

Na madrugada de terça-feira (15), conforme os indígenas, os pistoleiros incendiaram dez casas, obrigando muitos a se esconderem no mato. Em nota, o Cimi informou que os indígenas estão assustados e com medo de novos ataques.

A organização diz que este é o primeiro ataque registrado este ano contra os guarani e kaiowá do tekoha Avae´te, porém, ações como essa são registradas desde 2018, quando foi iniciado o processo de retomada das áreas gerando conflitos.

A reserva tem uma área de 2,4 mil hectares, tamanho, segundo o Cimi, insuficiente para abrigar a população indígena local, que ultrapassa 13 mil pessoas.

Com isso, grupos indígenas montaram acampamentos próximos a reserva, como forma de reivindicar a retomada de terras tradicionais ocupadas por fazendeiros.

Em 2007, a Funai e o Ministério Público Federal assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para agilizar a demarcação das áreas reivindicadas no entorno da Terra Indígena (TI) Dourados Pegua.

Em nota à Agência Brasil, a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) informou ter solicitado nesta quinta-feira (17) a intermediação do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Ministério Público Federal (MPF) e da Defensoria Pública para solucionar os conflitos em Dourados.

"A Funai segue acompanhando a situação para garantir a segurança e os direitos dos guaranis e kaiowás do tekoha Avae'te. Além disso, o Ministério dos Povos Indígenas (MPI) está acompanhando a situação e articulando com outras pastas do governo uma visita in loco na próxima semana", diz a nota.

* Texto atualizado às 18h18, do dia 17/08/2023, para acréscimo da nota da Funai.

Edição: Marcelo Brandão

Últimas notícias