Postura do Brasil diante de crise na Síria deve ser de cautela, diz professor

Publicado em 07/04/2017 - 17:47 Por Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil - Brasília

A postura brasileira diante do conflito na Síria, especialmente após o bombardeio americano a uma base militar na país, deve ser de cautela e de atenção diante das reações de potências internacionais como a Rússia diante deste processo. Essa é a avaliação do professor de Relações Internacionais da Universidade Católica de Brasília, Creomar de Souza, que é um dos convidados a falar em painel na Comissão de Relações Exteriores do Senado na segunda-feira (10).

Para Souza, “tendo em vista o atual panorama econômico, político e institucional no qual nos encontramos”, a postura brasileira deve ser de “bom senso” e de chamar a comunidade internacional para a tentativa de solução do conflito por meio do diálogo.

“O que cabe à política externa brasileira neste momento é tentar estabelecer aqueles padrões históricos que normalmente marcam a nossa ação. Um ponto de vista que sejam o mais multilateral possível, que chame todos os entes para um diálogo e que efetivamente dê espaço para abertura de alternativas baseadas na não violência. Porque, sendo muito claro, passado aquele momento de euforia na qual nós achávamos que o Brasil era um ator que iria transformar as relações internacionais, é preciso um aporte mais realista para entender as nossas limitações. E elas se colocam em termos de poder, em termos de dinheiro e em termos mesmo de alcance do nosso discurso político”, avalia o professor.

Na análise de Souza, a atitude do presidente americano teve a ver, inicialmente, com a necessidade de sinalizar para o público interno dos Estados Unidos que a política externa do país “tem dono, tem cérebro e, principalmente, tem músculos para exercer sua vontade em algum momento”.

“As pessoas estão muito preocupadas com o ato em si. Isto quer dizer, com o Trump ter lançado as bombas, mas, na verdade, esta é uma ação, no meu ponto de vista, que não tem a ver diretamente com lançar as bombas. Tem a ver muito mais com a necessidade do Trump de mostrar para o público interno americano que ele tem o controle da política externa, que ele sabe o que está fazendo e, mais importante, que ele não vacilará quando a força dos Estados Unidos for desafiada por alguém”, disse.

Sobre a possibilidade de que a ação americana signifique a evolução da guerra da Síria para um conflito mundial, o professor acredita que “ainda é cedo para esse tipo de elucubração”. “É óbvio que, como qualquer ser humano habitante do planeta, o medo do conflito em escala global e generalizada é algo que nos acomete. Mas, de fato, o que nós temos nesse primeiro momento, creio, é algo muito mais próximo daquilo que nós em alguns momentos da Guerra Fria, como a crise dos mísseis na década de 1960, do que efetivamente uma deflagração inicial de conflito”, analisou.

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Stephanie Soares
Esportes

A história peculiar de uma aposta do basquete brasileiro

Com apenas 20 anos de idade, a jogadora de basquete brasileira Stephanie Soares tem talento incomum. E uma trajetória também.

O presidente da Russia, Vladimir Putin, durante Diálogo dos Líderes com o Conselho Empresarial do BRICS
Internacional

Rússia anuncia primeira vacina contra a covid-19

Produto foi aprovado pelo Ministério da Saúde. A Rússia espera agora poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança do produto.

Idosos moradores do Lar São José, em Sobradinho, no Distrito Federal, recebem presentes de Natal
Direitos Humanos

Covid-19: mais de 330 abrigos de idosos já receberam doações

As instituições que já receberam as doações representam 67% dos abrigos cadastrados na primeira etapa da Campanha Solidarize-se, ação promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres
Internacional

Boris Johnson teme que Reino Unido perca poder se Escócia se separar

Escócia depositou 55% dos votos contra a independência em um referendo de 2014, mas o Partido Nacional Escocês, que governa a nação, quer outro pleito.