Universíade: Brasil conquista medalha de ouro no futebol feminino

Resultado foi obtido em um jogo duro contra o Japão

Publicado em 28/08/2017 - 12:35 Por Vinícius Lisboa* – Enviado Especial - Taipei

Taipei - Brasileiras comemoram a medalha de ouro no futebol feminino na Universíade ao lado de jogadoras japonesas e russas

Taipei - Brasileiras comemoram a medalha de ouro no futebol feminino na Universíade ao lado de jogadoras japonesas e russasVinícius Lisboa/Repórter da Agência Brasil 

Em um jogo duro contra o Japão, a seleção brasileira de futebol feminino conquistou hoje (28) a medalha de ouro na Universíade, com um gol aos sete minutos do segundo tempo da prorrogação. O jogo começou às 20h de Taipei (9h da manhã no horário de Brasília).

A medalha foi o segundo ouro do Brasil e o décimo segundo pódio desde o início da competição.

O gol veio da meio campista Diany, que cabeceou um escanteio batido pela zagueira Chaiane. A jogadora que marcou o gol se emocionou ao lembrar que estava na Universíade de 2015, quando o Brasil foi eliminado nas quartas de final e sonhou com o momento em que conseguiria uma medalha na competição.

"Eu já estava ficando cansada, e eu falei para o técnico para me dar mais três minutos, porque Deus daria força aos cansados", disse Diany, que contou lembrar da família e dos amigos: "Eu pensei em tudo o que a gente já passou no Brasil, porque no futebol feminino a gente luta para estar aqui. A gente estuda, trabalha e faz o que ama".

O técnico da equipe brasileira, Maurício Moraes Salgado, destacou a qualidade da equipe japonesa e a força de vontade das brasileiras.

"O jogo foi exatamente o que a gente sabia que ia ser, um jogo duro. O Japão é uma equipe muito intensa", disse. "A gente sabia que seria uma guerra no bom sentido. Foi principalmente um jogo de vitória psicológica", destacou.

Jogo

No primeiro tempo, o Japão teve grandes chances de marcar um gol, dando trabalho à goleira Maike. No segundo, o Brasil reagiu e criou mais, mas as japonesas continuaram a pressionar.

Os últimos minutos do segundo tempo foram complicados para as brasileiras, e o Japão pressionou na área do Brasil instantes antes de o árbitro encerrar os acréscimos.

Na prorrogação, o jogo continuou muito duro, e o alívio só veio no segundo tempo. O confronto entre as duas equipes foi o segundo na Universíade de Taipei. Classificados no mesmo grupo, Brasil e Japão se enfrentaram no último jogo da primeira fase, e o Brasil venceu por 3 a 1.

Torcida taiwanesa

Taipei - Taiwaneses torcem pelo Brasil no Estádio da Universidade Católica de Fu Jen

Taipei - Taiwaneses torcem pelo Brasil no Estádio da Universidade Católica de Fu JenVinícius Lisboa/Repórter da Agência Brasil 

No estádio, parte dos taiwaneses aderiu à torcida pelo Brasil e levou bandeiras e camisas brasileiras para a arquibancada. O analista de marketing digital, Allen Chen, de 30 anos, foi ainda mais longe e fez um cartaz em homenagem à zagueira Bruna, que ganhou sua simpatia no último jogo, contra a Rússia.

"Eu me encantei pelo futebol brasileiro em 1998, quando vi a Copa do Mundo e Ronaldo jogando. Passei a acompanhar", contou Allen, que trouxe amigos para assistir à final.

Assim como Ronaldo, Bruna chamou sua atenção: "No último jogo, eu a vi e já comecei a seguir no Instagram", disse.

O estudante de espanhol Jenaro Lee, de 23 anos, afirma que os asiáticos são muito fãs do futebol brasileiro, que geração após geração chega ao continente por meio das imagens da seleção e de jogadores que atuam na Europa. Para ele, estar na arquibancada diante do Brasil é especial.

"Sempre assisto na TV os brasileiros jogarem. O futebol deles é especial para as pessoas na Ásia. Os dribles do Brasil são muito habilidosos."

 

*O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU)

Edição: Lílian Beraldo

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Turistas e moradores fazem trilhas no Parque Nacional de Brasília
Geral

Decreto qualifica parques para concessão à iniciativa privada

Duas unidades de conservação - os parques nacionais de Brasília e de São Joaquim (SC) - foram qualificadas no Programa de Parcerias de Investimentos e  incluídas no Programa Nacional de Desestatização.

Edifício do Banco Central no Setor Bancário Norte
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 5,62% na economia este ano

Segundo BC, para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há 11 semanas consecutivas.

Uma mulher usando uma máscara passa pela sede do Banco Popular da China, o banco central, em Pequim, na China, quando o país é atingido por um surto do novo coronavírus, em 3 de fevereiro de 2020. REUTERS / Jason Lee
Internacional

Pequim impõe sanções contra 11 funcionários dos EUA em retaliação

Decisão é semelhante a uma medida retaliatória adotada por Pequim em meados de junho, quando baniu a entrada na China de membros do Congresso dos EUA e de um diplomata.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, durante reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Política

Presidente do STF é internado em Brasília

Segundo nota divulgada ontem pela assessoria de imprensa do Supremo, o ministro testou negativo para covid-19 e despachará normalmente durante a internação.

Manifestantes carregam bandeiras nacionais durante um protesto contra o governo no centro de Beirute, Líbano, em 20 de outubro de 2019
Internacional

Procuradoria-Geral do Líbano ouve responsáveis pela segurança

O presidente libanês, Michel Aoun, considerou "o pedido de investigação internacional sobre o caso do porto uma perda de tempo" acrescentando que o Poder Judiciário do país deve ser rápido 

Geral

Deslizamento na Mangueira: 22 casas são interditadas

De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, as 17 famílias afetadas pela nova interdição retiraram os pertences do local ontem e foram para casas de parentes.