Retorno de rohingyas a Mianmar será feito em grupos

O primeiro grupo com 2.251 refugiados iniciará o retorno na 5ª feira

Publicado em 11/11/2018 - 16:06 Por Agência EFE - Yangun (Mianmar)

A repatriação de cerca dos 723 mil membros da minoria rohingya que fugiram de Mianmar para Bangladesh no ano passado começará no dia 15 de novembro e será feita em grupos de 150 pessoas por dia, informaram neste domingo (11) as autoridades birmanesas.

O primeiro grupo com 2.251 refugiados iniciará o retorno na próxima quinta-feira, de forma escalonada e durante 15 dias, detalhou em entrevista coletiva o ministro birmanês de Assuntos Sociais, Win Myat Aye.

Os grupos realizarão um trajeto de barco de cerca de 90 minutos até o centro de recepção de Nga Khu Ja e serão alojados temporariamente no acampamento Hla Phoe Kahung, ambos no estado de Rakain, explicou o Ministério das Relações Exteriores birmanês.

O governo birmanês afirmou hoje que os retornados que possuem documentação oficial poderão se estabelecer livremente em 42 aldeias do distrito de Maungdaw.

Embora a princípio as autoridades cifraram em 2.260 o número de rohingyas que iriam retornar neste mês a Mianmar, o ministro esclareceu hoje que serão finalmente 2.251 e que o erro ocorreu porque alguns nomes estavam duplicados.

O ministro das Relações Exteriores revelou hoje, além disso, que Mianmar já enviou ao governo de Bangladesh a lista de outras 20 mil pessoas para a próxima repatriação, embora não tenha detalhado quando espera realizá-la.

rohingya_lowcock_visit_coxedt.jpg
Famílias rohingyas no acampamento improvisado de Balukhali, em Cox's Bazar, Bangladesh - Arquivo/Ocha/Anthony Burke/ONU

Os governos de Bangladesh e de Mianmar anunciaram em 30 de outubro, após uma reunião em Daca, que tinham estipulado começar a repatriação em meados de novembro.

O anúncio aconteceu quase um ano depois que ambos países assinaram, em 23 de novembro de 2017, um acordo para o retorno dos refugiados.

A ONU e organizações não governamentais condenaram o começo da operação de repatriação porque não existem as condições para o regresso dos rohingyas a Rakain, o estado no oeste da Mianmar de onde fugiram após a violência que explodiu no final de agosto do ano passado.

Mais de um milhão de rohingyas, uma comunidade majoritariamente muçulmana que o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos considera "apátrida", escaparam da Mianmar em distintas ondas desde finais do século passado.

A última "debandada" começou com a operação militar lançada para capturar os membros do Exército de Salvação Rohingya de Arakan (ARSA) que tinham perpetrado 30 atentados coordenados em Rakain em 25 de agosto de 2017 e levou 723 mil rohingyas a buscarem refúgio em Bangladesh.

Um relatório da ONU apresentado em setembro qualificou a operação militar em Rakain contra os rohingyas de "genocídio proposital", além de terem sido encontrados indícios de crimes de guerra e contra a humanidade. 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias