Perspectivas 2020: disputa traz indefinição para impeachment de Trump

Processo contra o presidente será avaliado pelo Senado

Publicado em 01/01/2020 - 16:03 Por Jonas Valente – Repórter da Agência Brasil - Brasília

No ano em que busca a reeleição, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também enfrentará a reta final do processo de impeachment.

As acusações são de que Trump teria solicitado a um governante que investigasse seus opositores e de ter atuado para dificultar a apuração sobre o assunto pelo Congresso americano.

Depois de aprovado na Câmara de Representantes, onde a maioria é do partido Democrata, o processo será avaliado pelo Senado, controlado pelos republicados, com legenda conservadora da qual faz parte o presidente.

No fim de 2019, em 18 de dezembro, a Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) aprovou o impeachment de Trump.

Os parlamentares entenderam que ele incorreu em abuso de poder ao articular, juntamente ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, o repasse de dados contra adversários políticos que poderiam beneficiar Trump na disputa à Casa Branca.

O assunto veio à tona com a revelação de suposta conversa entre Trump e Zelensky, em julho deste ano, quando Trump teria pressionado o titular da Presidência ucraniana a atuar em seu favor na investigação sobre o filho senador Joe Biden, seu concorrente na corrida presidencial.

O episódio foi vazado por denunciantes anônimos e noticiado na imprensa dos EUA. Em 24 de setembro, o partido democrata anunciou a abertura do inquérito de impeachment.

Traição

A porta-voz da Câmara de representantes, a parlamentar democrata Nancy Pelosi, declarou que a pressão de Trump sobre o presidente ucraniano significava a “traição da integridade das nossas eleições” e que ninguém estava acima da lei.

Trump liberou um comunicado classificando a iniciativa do inquérito como “caça às bruxas” e “assédio presidencial”, perpetrados pelos democratas para tentar prejudicar sua imagem no pleito de 2020. Após a aprovação, o presidente definiu a decisão como uma “política suicida” e uma “eterna marcha da vergonha” dos democratas.

Além do abuso de poder, a votação da Câmara de Representantes também condenou Trump por obstrução, justificando que ele teria proibido ou dificultado o fornecimento de esclarecimentos por funcionários de sua administração, durante as investigações.

Senado

A questão envolve o encaminhamento do processo ao Senado. Seriam necessários dois terços dos votos para que o impeachment fosse confirmado. Contudo, com a maioria republicana na casa, é pouco provável que tal aprovação ocorra. Na Câmara de Representantes, todos os parlamentares do partido do presidente votaram contra a derrubada do mandatário.

A bancada democrata da Câmara segurou o processo, em vez de encaminhá-lo automaticamente ao Senado. Por meio de sua conta no Twitter, Nancy Pelosi afirmou, no dia 23 de dezembro, que não poderia prosseguir enquanto não soubesse “que tipo de julgamento o Senado conduziria”.

“O presidente Trump bloqueou suas próprias testemunhas e documentos da Câmara e do povo dos Estados Unidos, em falsas reclamações sobre o processo na Câmara. Qual é sua desculpa agora?"., questionou Nancy.  Ela  falou ainda sobre a necessidade das testemunhas serem ouvidas no Senado.

Em sua conta no Twitter, Trump criticou a indefinição sobre o encaminhamento. “Eles não tiveram um voto republicano na Câmara dos Representantes e perderam votos de três democratas. Eles não produziram um caso e, agora, ela [Nancy Pelosi] não quer ir ao Senado. Ela é só mentiras”, reclamou o presidente.

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias