Ex-presidentes da FCC pedem resolução para disputa entre aviação e 5G

Uso do 5G representa um risco para a segurança aérea, diz indústria

Publicado em 14/12/2021 - 16:12 Por David Shepardson - Reuters - Washington

Seis ex-presidentes da Comissão Federal de Comunicações dos EUA (FCC) instaram o governo Joe Biden na segunda-feira (13) a resolver logo uma disputa sobre o uso do espectro 5G que, segundo a indústria da aviação, representa um risco para a segurança aérea.

Os ex-presidentes da FCC Ajit Pai, Tom Wheeler, Julius Genachowski, Michael Copps, Michael Powell e Mignon Clyburn disseram em carta conjunta estarem "preocupados" com os recentes esforços da Federal Aviation Administration (FAA) para rever a decisão da FCC de 2020 de permitir o uso de o espectro da banda C para uso sem fio.

Os ex-funcionários disseram que as agências deveriam trabalhar para "resolver as preocupações da FAA rapidamente, mas este debate não deve ser travado publicamente de uma forma que enfraqueça a confiança do consumidor no processo".

Questionado sobre a carta dos ex-presidentes da FCC, a FAA disse que continua "a trabalhar com agências federais e empresas para que a banda C do 5G e a aviação possam coexistir com segurança".

A indústria da aviação e a FAA levantaram preocupações sobre a potencial interferência do 5G em componentes eletrônicos sensíveis de aeronaves, como altímetros de rádio. AT&T e Verizon concordaram em novembro em atrasar o lançamento comercial do serviço sem fio de banda C até 5 de janeiro, após a FAA levantar questões e emitir diretrizes de aeronavegabilidade, ordenando a revisão dos manuais de voo de aviões e helicópteros para proibir algumas operações que requerem dados de rádio-altímetro quando na presença de sinais de banda larga 5G.

A FAA continua em discussões com a FCC, a Casa Branca e funcionários da indústria sobre os contornos precisos de quaisquer limitações, que devem ser descritas nas próximas semanas em uma série de avisos.

AT&T e Verizon disseram que iriam adotar medidas de precaução por seis meses para limitar a interferência. Mas grupos da indústria da aviação disseram que elas eram insuficientes para lidar com as questões de segurança aérea.

Últimas notícias