Antiga cidade de Marraquexe avalia danos causados pelo terremoto

Local abriga mesquistas medievais e palácios adornados com mosaicos

Publicado em 09/09/2023 - 16:41 Por Ahmed Eljechtimi – Repórter da Reuters - Marraquexe

O epicentro do violento terremoto no Marrocos foi perto de Marraquexe, uma cidade amada pelos marroquinos e turistas estrangeiros por suas mesquitas medievais, palácios e seminários ricamente adornados com mosaicos em meio a um labirinto de vielas em tons de rosa.

A extensão dos danos em Marraquexe, declarada Patrimônio Mundial da Unesco, ainda não estava clara na manhã deste sábado (9), embora a maioria dos principais locais históricos da cidade velha parecessem praticamente ilesos.

No entanto, imagens compartilhadas online, mas não verificadas pela Reuters, mostraram rachaduras e escombros caídos em uma pequena seção das muralhas medievais, além da torre de uma mesquita (minarete) desabada.

O tremor foi forte o suficiente para expulsar a maioria dos residentes de suas casas, pouco depois das 23h (horário local). Muitos dormiram ao ar livre, com medo de novos tremores em uma cidade onde muitas das casas antigas são feitas de pedra e tijolos de barro.

Do lado de fora do hospital da cidade, Karim El Baridi disse que seu tio estava sendo atendido com as costelas quebradas depois de pular de um andar superior por medo de que seu prédio desabasse. “Ele estava assustado e pulou”, disse Baridi.

Na Praça Jemaa al-Fna, a grande peça central de Marraquexe, dominada pela mesquita medieval de Kotoubia e reduto de artistas de rua, bancas de mercado e encantadores de serpentes, o patrimônio mais precioso apareceu intacto.

O imponente minarete de Kotoubia, que é mantido cuidadosamente devido ao seu status valioso, parecia ileso, mas o minarete de uma mesquita menos conhecida, em outra parte da ampla praça, desabou, esmagando alguns carros com escombros.

Parado em frente a uma pilha de escombros em outro lugar da cidade velha, com arcos elegantes erguendo-se atrás dela, Miloud Skrout, morador de Marraquexe, disse que os escombros bloquearam becos, dificultando a ajuda aos moradores presos.

“Tudo é a vontade de Deus, mas sofremos grandes danos... não há como entrar nas casas e os meus pais estão doentes em casa" disse Skrout.

Algumas casas também caíram na densamente povoada cidade antiga, embora os moradores tenham dito à Reuters que elas pareciam estar em sua maioria desabitadas.

Os moradores estavam usando as mãos para remover os escombros, disse um morador.  

O Banco Mundial e o FMI devem realizar suas reuniões anuais na cidade a partir de 9 de outubro, e ainda não está claro se este plano será afetado pelo terremoto.

Reportagem adicional de Abdulhak Balhaki

É proibida a reprodução deste conteúdo

Últimas notícias