Países africanos defendem reforma do Conselho de Segurança da ONU

Fórum Internacional de Dacar discute estabilidade e paz na África

Publicado em 27/11/2023 - 22:00 Por Pedro Rafael Vilela - Enviado especial* - Dacar

Em meio à situação de piora na instabilidade internacional, com aumento dos conflitos armados, governos de países da África Ocidental vêm reforçando o discurso em defesa de uma reforma nos organismos multilaterais das das Nações Unidas (ONU), especialmente do Conselho de Segurança da organização. Presidente do Senegal, uma das maiores economias da região, Macky Sall afirmou nesta segunda-feira (27), em Dacar, capital do país, que o sistema internacional ainda em vigor é prejudicial aos países do continente e aprofunda das desigualdades.  

"Certamente, África é rica no seu imenso potencial. Mas as regras e práticas de trocas desiguais contribuem para o seu empobrecimento. É por isso que apelamos a uma governança política, econômica e financeira global mais justa e equitativa. Para mim, é prioritária a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Essa arquitetura mundial que se originou nos Acordos de Bretton Woods, que criou o FMI [Fundo Monetário Internacional] e o Banco Mundial, também não são representativos da realidade anual", destacou Sall durante a 9ª edição do Fórum Internacional de Dacar sobre Paz e Segurança na África.

"Uma governança global mais justa e equitativa contribuiria para a emergência de uma África de soluções, ou seja, uma África que depende mais dos seus próprios recursos para financiar os seus esforços de desenvolvimento e oferecer novas oportunidades de comércio e investimento aos seus parceiros", acrescentou.

Com o tema "O potencial e as soluções de África para enfrentar os desafios de segurança e a instabilidade institucional", o evento na capital senegalesa reúne cerca de 400 convidados, incluindo especialistas e representantes de governo de dezenas de países, nos dias 27 e 28 de novembro.

O discurso de Sall se alinha com o posicionamento do governo brasileiro sobre o tema. Em diferentes reuniões internacionais ao longo deste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem cobrado mudança na governança mundial. Em recente visita à África, em agosto, Lula afirmou a ONU já não mais representa, na prática, a mesma inspiração para a qual foi criada, que é coordenar esforços de paz e desenvolvimento do planeta.

“A ONU de 2023 está longe de ter a mesma credibilidade da ONU de 1945”, avaliou, na ocasião. A inclusão, em caráter permanente, de representantes da América do Sul, África, além de Índia e Japão, no Conselho de Segurança da ONU, tem sido uma reivindicação constante dos países dessas regiões.

"Num mundo tão interdependente como aquele em que vivemos, é, de fato, útil, e mesmo necessário, ter uma visão global prospectiva da geopolítica africana e planetária, se quisermos trilhar os melhores caminhos, e encontrar as verdadeiras soluções aos desafios econômicos, de segurança e outros que enfrentamos", pontuou o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Geraldo Martins, durante discurso de abertura do 9º Fórum Internacional de Dacar.

Ameaça terrorista

Do ponto de vista regional, o alastramento da violência cometida por grupos extremistas, como Estado Islâmico e Al-Qaeda, é a principal fonte de preocupação de segurança em países da África Ocidental, do Golfo da Guiné, e do Sahel, região de transição entre o deserto do Saara e as savanas africanas e que abrange mais de uma dezena de nações.

O caso de Burkina Faso e do Mali estão entre os mais graves, com os países sofrendo sucessivos ataques terroristas ao longo dos últimos anos, além de terem parte do território controlado por esses grupos, especialmente em Burkina, forçando o deslocamento de centenas de milhares de pessoas.

De acordo com o último relatório do Índice Global de Terrorismo, produzido pelo Instituto de Economia e Paz, Mali e Burkina Faso representaram mais de 73% do terrorismo registrado na região do Sahel em 2022.

Ambos os países registraram aumentos substanciais do terrorismo, com mortes no Burkina Faso aumentando em 50%, e no Mali, em 56%. A maioria dos ataques nestes países é atribuído a jihadistas desconhecidos, que podem estar vinculados a grupos como Estado Islâmico. Segundo o relatório, a escalada da violência em Burkina Faso também se espalhou para os países vizinhos, como Togo e Benin. Dos dez países com pior pontuação no ranking de terrorismo, cinco estão na África.

Para o presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Ghazouani, que também participou da abertura do 9º Fórum Internacional de Dacar, o continente se tornou um ambiente de violência terrorista sociopolítica.

"E agora, fora de controle, regiões inteiras são transformadas, como a faixa do Sahel, numa zona de incubação de extremismo violento e tráfico de todos os tipos. Essa violência atípica tem, muitas vezes, origem na confluência da pobreza, da má governança e  da ausência de perspectiva, que amplia a tensão social e fomenta um território violento", afirmou.

*O repórter viajou à convite da Embaixada do Senegal e da African Communications Network (agência de notícias não governamental).

*Matéria alterada às 6h35 do dia 28/11/2023 para acréscimo de informações (dois últimos parágrafos)

Edição: Carolina Pimentel

Últimas notícias