Deslocados de Gaza voltam a fugir após ofensiva de Israel

Tanques e aviões de guerra atacaram o sul do enclave

Publicado em 29/12/2023 - 10:55 Por Nidal al-Mughrabi e Arafat Barbakh - Repórteres da Reuters - Cairo e Gaza

Dezenas de milhares de habitantes de Gaza recém-deslocados se amontoaram sob lonas, nesta sexta-feira (29), no centro do enclave, depois de fugirem da mais recente ofensiva dos tanques israelenses, enquanto aviões de guerra atacavam o sul, destruindo casas e enterrando famílias enquanto dormiam.

Israel está encerrando o ano com novos ataques no centro e no sul de Gaza, desencadeando um novo êxodo de pessoas já expulsas de outras áreas, no que o ministro da Defesa, Yoav Gallant, chamou de um estágio essencial da missão de destruir o Hamas.

No sul da Faixa de Gaza, em Rafah, jornalistas da Reuters que estavam no local de um ataque aéreo que destruiu uma casa viram a cabeça de uma criança nos escombros. A criança gritava enquanto um socorrista protegia sua cabeça com uma das mãos, enquanto outra pessoa usava uma marreta e um cinzel, tentando quebrar uma laje de concreto para libertá-la.

O vizinho Sanad Abu Tabet disse que a casa de dois andares estava lotada de pessoas desabrigadas. Ao amanhecer, parentes foram buscar os mortos embrulhados em panos brancos. Um homem desembrulhou parcialmente um deles, para acariciar o rosto de uma criança morta.

Dezenas de milhares de habitantes de Gaza estão fugindo dos distritos centrais lotados de Bureij, Maghazi e Nusseirat, ordenados pelas forças israelenses, cujos tanques avançavam pelo norte e pelo leste. A maioria se dirigiu para o sul ou para o oeste, para a já sobrecarregada cidade de Deir al-Balah, montando barracas improvisadas feitas de plástico em qualquer terreno aberto que pudessem encontrar.

"Sofremos muito. Passamos a noite inteira sem abrigo, debaixo de chuva e frio, estávamos com nossos filhos e mulheres idosas", disse Um Hamdi, cozinhando mingau em uma panela sobre uma fogueira aberta, cercado por crianças.

Perto dali, Abdel Nasser Awadallah, de barba grisalha, estava dentro de uma estrutura de madeira e falou sobre a família que havia perdido.

"Enterrei meus filhos, uma criança de 16 anos e outra de 18. Algo que eu realmente não consigo acreditar, enterrei meus filhos às 6h da manhã enquanto seus corpos ainda estavam quentes. Também enterrei meu sobrinho, que tinha 2 anos, e minha esposa", disse ele.

"Nunca pensei em minha vida que enterraria meus filhos, pensei que eles me enterrariam."

Doze semanas depois que os militantes do Hamas invadiram cidades israelenses, matando 1,2 mil pessoas e fazendo 240 reféns, as forças israelenses devastaram grande parte da Faixa de Gaza. Quase todos os seus 2,3 milhões de habitantes foram expulsos de suas casas pelo menos uma vez, e muitos agora estão fugindo pela terceira ou quarta vez.

Autoridades de saúde de Gaza afirmam que mais de 21 mil pessoas foram confirmadas como mortas - cerca de 1% da população do enclave - e teme-se que outros milhares de corpos não tenham sido encontrados nas ruínas. As Nações Unidas dizem que muitos outros milhares podem morrer devido à grave escassez de alimentos, medicamentos, água potável e abrigo adequado.

Israel diz que está fazendo o possível para proteger os civis e culpa os combatentes do Hamas pelos danos causados, por operarem entre eles, o que o Hamas nega.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias