Carolina Maria de Jesus recebe título de Doutora Honoris Causa da UFRJ

Publicado em 27/02/2021 - 15:19 Por Fabiana Sampaio - Rio de Janeiro

Uma catadora de papel negra que ganhou o mundo das letras, num feito que para muitos parece impossível, agora é Doutora Honoris Causa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ). É Carolina Maria de Jesus, a mineira que morou na favela do Canindé, em São Paulo, onde catava papel para sobreviver.

A escritora  ganhou o título, em uma homenagem póstuma, pela UFRJ. A aprovação da honraria foi unânime e por aclamação.

Carolina Maria de Jesus se revelou como escritora após os 30 anos, quando se mudou de Minas Gerais para São Paulo após a morte da mãe. 

Filha de analfabetos, Bitita, como era chamada quando criança, estudou apenas até o segundo ano do ensino fundamental. O curto período nos bancos da escola, no entanto, foi suficiente para fazê-la tomar gosto pela escrita e pela leitura.

 Em 1937, aos 33 anos e grávida, passou a viver na favela do Canindé, zona norte da capital paulista, e a se sustentar como catadora de papel. 

Sem largar de mão a literatura, aproveitava os cadernos usados que recolhia para registrar o cotidiano em que vivia. Foi assim que deixou uma obra literária atualmente reconhecida como de extrema relevância para a luta antirracista. 

Seu primeiro e mais famoso livro, "Quarto de Despejo - Diário de Uma Favelada", foi publicado com o apoio do jornalista Audálio Dantas, em 1958, a partir das anotações que fazia em vinte cadernos.

Para Susana Castro, diretora do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, e responsável pela sugestão da honraria, o título veio tardio. A professora destaca a persitência da autora em continuar sua produção literária, mesmo após o jornalista que a revelou ter lhe indicado que seu "papel" já tinha sido cumprido com o primeiro livro publicado.

Com os frutos do seu primeiro trabalho literário, Carolina Maria de Jesus chegou a morar num bairro de classe média de São Paulo. A autora tem ainda outras sete obras - seis publicadas após sua morte, compiladas a partir dos cadernos e materiais deixados por ela.

Novas publicações de manuscritos da autora vão ser publicados pela editora Companhia da Letras, com a curadoria da escritora Conceição Evaristo. Carolina Maria de Jesus morreu em fevereiro de 1977, aos 62 anos, de insuficiência respiratória. 

A honraria Honoris Causa, que significa “por causa de honra”, é concedida independentemente da instrução educacional a quem se destacou por suas virtudes, méritos ou atitudes. 

O agraciado passa a desfrutar dos mesmos privilégios daqueles que concluíram um doutorado acadêmico convencional.  

No Brasil, cada instituição de ensino superior define pelo regimento interno quem receberá o título.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Projeto de assentamento vai beneficiar 170 famílias em Anapu, no Pará

De acordo com o Incra, o planejamento para o processo de seleção acontece ainda no primeiro semestre de 2021. 

 

Baixar arquivo
Esportes

Uma montanha de recicláveis para chegar ao topo do Everest

Conheça a história da educadora física Aretha Duarte, que pode ser a primeira brasileira negra a chegar ao pico mais alto do planeta - e que conseguiu o dinheiro para essa empreitada juntando material reciclável.

Baixar arquivo
Saúde

Manaus começa vacinar pessoas com comorbidades a partir desta segunda

A partir desta segunda-feira, dia 12, pessoas com qualquer tipo de comorbidades, que são as doenças preexistentes, vão poder buscar a vacina, contra a Covid-19, em Manaus, no Amazonas.

Baixar arquivo
Justiça

Vacina covid: TJ Rio mantém prioridade de professores e policiais

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, decidiu manter, na íntegra, o decreto estadual que beneficia os trabalhadores das forças de segurança e da educação como parte do grupo prioritário para vacinação contra a covid-19. 

Baixar arquivo
Segurança

PM do Rio prende lider de facção acusado de mais de 30 homicídios

O Comando de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro prendeu, na manhã deste sábado, um homem apontado como líder de uma facção criminosa do tráfico no Estado.

Baixar arquivo
Saúde

Em Maceió prefeitura organiza ação de vacinação por 24 horas

Na capital Alagoana, Maceió, a imunização contra a covid-19 não vai ter descanso neste fim de semana. A vacinação vai ocorrer por 24 horas. A força-tarefa vai ter início às 16h deste sábado e se estende até às 16h de domingo.

Baixar arquivo