Violência contra a mulher: campanha da ONU começa hoje (20) no Brasil

Até setembro deste ano, país registrou 34% de aumento nos casos

Publicado em sexta-feira, 20 Novembro, 2020 - 17:21 Por Dayana Vitor - Brasília

LOC: “Ele tentou me matar, inclusive atirou em mim, mas a bala não saiu. Graças a Deus! Ele botou fogo na minha casa. Ele me perseguia nas paradas de ônibus, onde eu descia para ir trabalhar. Chegou a uma situação que eu não sabia se eu estava viva ou morta mais.”

Infelizmente, esse tipo de relato não é raro, e é justamente para chamar a atenção para esse tipo de violência que a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.
A campanha acontece simultaneamente em 150 países a partir de 25 de novembro, que é o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher. Mas, no Brasil, as ações começaram nesta sexta-feira (20).

Neste ano, por causa da pandemia da covid-19, a iniciativa tem como foco diminuir as agressões contra mulheres durante a quarentena. Com o tema “Onde Você Está que Não me Vê?”, a iniciativa quer chamar a atenção para essa violência difícil de ser identificada.

Diferentes órgãos estão engajados na campanha. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal, por exemplo, estão juntos nessa ação, e realizam uma série de debates, aqui em Brasília, até o dia 10 de dezembro.

A ONG Themis, que atua há 27 anos para garantir às mulheres o acesso à justiça, também reforça sua atuação durante a campanha da ONU, como explica uma de suas coordenadoras, Renata Jardim.

Segundo o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, entre janeiro e setembro deste ano, a violência contra a mulher no país teve aumento de 34%, quando comparada ao mesmo período de 2019.

Edição: Ana Pimenta

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Edital de concessão da Cedae será publicado no dia 18 de dezembro

O edital de concessão da Cedae, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro, será publicado no próximo dia 18 de dezembro. O valor mínimo de outorga, ou seja, o quanto a iniciativa privada terá que pagar para explorar o serviço, será de R$ 10,6 bilhões.

Baixar arquivo
Saúde

Shoppings do RJ poderão ficar abertos 24h

A prefeitura do Rio de Janeiro e o governo fluminense anunciaram nesta sexta-feira (4) medidas para enfrentar o aumento de casos, óbitos e internações de covid-19 no estado e na capital. A partir de segunda-feira, as escolas municipais voltarão a ser fechadas, e já nesta semana os shoppings e centros comerciais no estado funcionarão durante 24 horas por dia.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Operação em São Paulo combate tráfico de animais silvestres

Um dos principais traficantes do país, conhecido como Zé do Bode, foi preso nesta sexta-feira (4). Ele usava as redes sociais para o comércio ilegal de animais.

Baixar arquivo
Política

Câmara aprova novo programa habitacional: Casa Verde e Amarela

Esse programa substitui o antigo Minha Casa Minha Vida, e a principal diferença entre eles é o financiamento de reformas em residências já construídas e o aumento do valor total dos imóveis que poderão ser financiados. Projeto segue para o Senado.

Baixar arquivo
Justiça

Reeleição para presidências da Câmara e do Senado tem 4 votos a favor

Lewandowski, Alexandre de Moraes e Toffoli acompanharam o voto do relator, ministro Gilmar Mendes. O julgamento, que começou nesta sexta (4) e pode perdurar até dia 14, tem consequências práticas já em 2021, caso os atuais presidentes da Câmara, deputado Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, ambos do DEM, queiram ser reconduzidos ao cargo.

 

Baixar arquivo
Justiça

Justiça suspende estatuto que limitava vagas a mulheres em RR

Estatuto dos Militares do estado limitava a 15% as vagas oferecidas às mulheres nos concursos públicos para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Desembargadores consideraram que qualquer forma de tratamento diferenciado oferecido a homens e mulheres só se justifica, excepcionalmente, quando a intenção for diminuir as diferenças concretas existentes entre os dois gêneros ou diante da impossibilidade de um tratamento igualitário devidamente comprovado.

Baixar arquivo