Mulher negra resgatada em MG reacende debate sobre trabalho escravo

Situação é formalmente chamada de trabalho análogo ao de escravidão

Publicado em quinta-feira, 24 Dezembro, 2020 - 20:33 Por Kariane Costa - Brasília

O caso da mulher negra de 46 anos resgatada por auditores fiscais do trabalho em condições análogas à escravidão, em Minas Gerais, reacendeu o debate sobre o assunto nesta semana.

Embora o trabalho escravo tenha sido formalmente abolido no Brasil em 1888, socialmente ele continua a existir. Hoje, ainda há trabalhadores que vivem em condições semelhantes às que existiam no tempo da escravidão.

É o chamado trabalho escravo contemporâneo, caracterizado em quatro situações diferentes. Uma delas é quando o trabalhador é forçado a trabalhar e impedido de deixar o emprego por retenção de documento. Não pode usar qualquer tipo de transporte, além de sofrer pressão psicológica e ameaça física.

Há também situação de servidão por dívidas e jornada exaustiva, como explica o procurador Italvar Medina, vice-coordenador Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

O procurador ressalta ainda que quando os trabalhadores são resgatados, os vínculos trabalhistas são encerrados com direito a todas verbas rescisórias trabalhistas. Se não houver acordo com o empregador,

é ajuizada uma ação para que a vítima receba os direitos.

Italvar Medina lembra ainda que é muito importante o acompanhamento da assistência social dos estados nestes casos. Ele também diz que é importante inserir essas pessoas em programas sociais, como bolsa família e em programas que recoloquem essas pessoas no mercado de trabalho.

Para o procurador, o trabalho escravo no Brasil está associado à persistência de um racismo estrutural, em que um negro é tratado como fosse uma pessoa de valor menor. O empregador que explora o trabalho escravo fica sujeito à multa e responde a ação civil por danos morais e ação criminal no Ministério Público Federal.

Denúncias contra trabalho análogo à escravidão pode ser feita por meio Disque 100 ou pelo site: mpt.mp.br  ou presencialmente nas procuradorias da Secretaria Nacional do Trabalho e suas representações.

Edição: Joana Lima

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Governo do Pará envia equipe à cidade de Faro

Objetivo é ajudar quanto às questões de atendimento hospitalar, já que, ontem (19), foram confirmadas as mortes de seis pessoas por falta de oxigênio. Faro fica na divisa com o estado do Amazonas, região da Calha Norte. E no município de Coari (AM), sete pessoas que estavam internadas com covid-19 morreram também por falta de oxigênio.

 

Baixar arquivo
Geral

Prova de vida de aposentados segue suspensa até fevereiro

Com o novo decreto publicado nesta quarta-feira (20), o INSS prorrogou até fevereiro a suspensão do corte dos pagamentos de quem não fez a comprovação, tanto para residentes no Brasil ou no exterior.

Baixar arquivo
Educação

Niterói classifica educação como atividade essencial

Com isso, escolas poderão funcionar e ano letivo deve começar em março. Atualmente, a cidade está no nível amarelo de controle da covid-19, o que significa que até o ensino fundamental pode retornar às aulas presenciais. O secretário de Educação disse que, no entanto, ainda não há decisão para reabertura imediata das escolas.

Baixar arquivo
Geral

Em Sergipe, prefeito deve responder por tomar vacina contra a covid-19

Prefeito do interior do estado de Sergipe poderá responder por ter tomado a vacina contra a covid-19 sem fazer parte dos grupos prioritários. 

Os detalhes com Pedro Ramos, da Rádio UFS FM de Aracaju. 

Baixar arquivo
Geral

INSS suspende atendimento do PREVBarco a comunidades do Amazonas

Com o agravamento da pandemia no Amazonas, o INSS resolveu suspender as missões dos chamados PREVBarcos, que são Unidades Móveis Flutuantes de atendimento à população ribeirinha e trabalhadores rurais.

Baixar arquivo