Imigrantes venezuelanos são absorvidos na rede de ensino de Pacaraima

Publicado em 02/08/2021 - 08:30 Por Sayonara Moreno - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Desde a flexibilização da entrada de imigrantes venezuelanos em situação de vulnerabilidade, ao Brasil, a cidade de Pacaraima, em Roraima, mais que dobrou o número de estudantes matriculados na rede municipal de ensino.

Apesar de a recepção dessas pessoas ser atribuição do governo federal, a estrutura de atendimento em saúde e educação, por exemplo, é responsabilidade do município. O chefe de gabinete da prefeitura de Pacaraima, Marcio Medeiros, conta que o impacto da chegada dos imigrantes, foi muito maior nos serviços de saúde e educação do município. Nas escolas da prefeitura, o número de matriculados mais que duplicou, em comparação com os números anteriores à pandemia. Hoje são cerca de 4 mil alunos nas escolas públicas.

Marcio Medeiros argumenta que a cidade de Pacaraima não comporta o alto fluxo de imigrantes em situação de vulnerabilidade social. Por isso, serve de passagem para os venezuelanos que são interiorizados para o restante do país. O fluxo de pessoas em Pacaraima subiu tanto, que começaram a ser formadas as ocupações chamadas “espontâneas”. O chefe de gabinete da prefeitura, Márcio Medeiros, explica que a cidade não tem estrutura para alocar essas pessoas de forma permanente.

Pacaraima faz divisa com a cidade de Santa Elena de Uairén, na Venezuela. Desde que começou a crise humanitária, recebeu mais de um milhão de imigrantes venezuelanos. A estimativa é da Operação Acolhida, do Exército brasileiro. Apesar da situação difícil para muitas famílias que buscam refúgio no Brasil, a entrada dessas pessoas deve ser controlada, com respeito às medidas sanitárias da Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e oficializada pela Polícia Federal.

Antes mesmo do fechamento das fronteiras, na pandemia, a operação acolhida já havia atendido mais de um milhão de venezuelanos e mais de cinquenta mil interiorizados para 700 cidades brasileiras.

Com a flexibilização das pessoas vindas da Venezuela, em situação de vulnerabilidade, o controle sanitário é indispensável. No entanto, o índice de contaminação das pessoas acolhidas é menor que 3%, abaixo da média nacional. Isso devido aos protocolos sanitários que são respeitados.

Edição: Jéssica Goncalves / Guilherme Strozi

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Economia

Ipea: desemprego recuou no país de 15,1% em março, para 13,7% em junho

A pesquisadora do Ipea, Maria Andreia Parente Lameiras, afirma que o cenário aponta para sinais de recuperação, ainda que as taxas de desocupação e subocupação continuem elevadas.

Baixar arquivo
Política

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência é lembrado no Planalto

Durante a solenidade, o governo destacou as ações feitas nos últimos anos para beneficiar as pessoas com deficiência, como a criação do Comitê de Doenças Raras e o Auxílio Inclusão.

Baixar arquivo
Economia

Falta de chips força férias coletivas na Volkswagen em São Paulo

São cerca de 2 mil pessoas pessoas que vão ficar paradas por 10 dias por falta de componentes usados na fabricação dos carros.

Baixar arquivo
Saúde

Jogo de computador pode estimular atenção em crianças com autismo

Uma espécie de videogame que está sendo testado em crianças com autismo, e que tem mostrado resultados promissores.

Baixar arquivo
Esportes

Paralimpíada Escolar abre portas do alto rendimento a novos campeões

Edição deste ano da Paralimpíada Escolar está confirmada para acontecer entre  22 e27 de novembro

Baixar arquivo
Saúde

Estudo revela impacto da pandemia em favelas do Rio de Janeiro

54% dos moradores da Cidade de Deus, na zona oeste, e dos complexos do Alemão e da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, perderam seus empregos com a pandemia de covid-19

Baixar arquivo