O que fazer em casos de importunação sexual no transporte público?

Publicado em 21/10/2021 - 09:10 Por Rádio Nacional - Brasília

A campanha Chega pra lá, do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, esclarece mulheres e homens sobre como proceder ao ser vítima ou presenciar casos de importunação sexual em transporte público.

Neste episódio do podcast Entrevista é Nacional, você acompanha conversa da âncora Márcia Dias com a coordenadora de Atendimento à Mulher da pasta, Andréa Piacenzo. Ela lembra que forçar beijo ou passar a mão no corpo de alguém sem permissão é crime e casos como estes devem ser denunciados. 

E quais são as orientações para quem for vítima deste tipo de situação? A Andréa explica: "Primeiro, que a mulher tente produzir provas: uma filmagem, uma gravação. A gente também salienta a importância das testemunhas - alguém que tenha visualizado a ação, acompanhado a ocorrência, que esta pessoa fique ao lado da mulher e se coloque à disposição para atuar como testemunha. E principalmente: não se calar. Entrar em contato com o motorista do ônibus e, principalmente, acionar a polícia, para que ela possa estar presente, inibir a conduta criminosa e também prender o criminoso". 

Edição: Nathália Mendes

Últimas notícias
Geral

Pesquisa revela condições de vida e renda dos refugiados venezuelanos

Uma pesquisa feita por agências da ONU apontou dados importantes sobre as condições de vida e renda dos refugiados e migrantes venezuelanos interiorizados ao Brasil.

Baixar arquivo
Esportes

Corinthians é tricampeão paulista feminino

Com a presença de mais de 30 mil torcedores, as corinthianas fecharam o ano com a tríplice coroa, uma vez que conquistaram também as taças do Brasileiro e da Libertadores.

Baixar arquivo
Geral

Migração para os EUA esvazia cidade mineira de Alpercata

Os efeitos econômicos da pandemia do coronavírus, especialmente a baixa oferta de empregos, foram os principais motivos para o aumento da migração.

Baixar arquivo
Economia

Custo médio da cesta básica aumentou em nove cidades, de acordo Dieese

As cestas básicas mais caras foram encontradas em Florianópolis, São Paulo e Porto Alegre, custando entre R$ 710,53 e R$ 685,32. Já as cestas mais baratas: Aracaju Salvador e João Pessoa, com preços entre R$ 473,26 e R$ 508,91.

Baixar arquivo
Política

PEC dos Precatórios é promulgada pelo Congresso Nacional

A proposta aprovada possibilita a mudança no cálculo do teto de gastos e abre um espaço de R$ 106 bilhões no Orçamento da União. Parte dos recursos deverá custear o Auxílio Brasil. 

Baixar arquivo