Carro elétrico será vantajoso em termos de custo a partir de 2031

É o que aponta análise da Anfavea

Publicado em 10/08/2021 - 13:25 Por Nelson Lin - Repórter da Rádio Nacional - São Paulo

O setor automotivo brasileiro estima que a partir de 2031 o carro elétrico vai ser vantajoso em termos de custo ao consumidor em comparação ao carro flex.

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), essa chamada paridade pode ser impulsionada por conta do atual cenário de aumento de preços dos combustíveis fósseis como gasolina e diesel e da queda no preço das baterias elétricas.

Isso deve acontecer quando o carro elétrico alcançar os mesmos custos de compra e manutenção que os carros flex. Para o consumidor comum, que roda em média 12 mil quilômetros por ano, a previsão de substituição é para daqui a dez anos.

A análise foi apresentada nesta terça-feira (10) pela Anfavea em uma coletiva que discutiu a descarbonização da frota de veículos.

Nas estimativas apresentadas para motoristas de aplicativo, que usam o carro de forma mais intensa, o veículo elétrico, em termos de custo, pode começar a valer a pena a partir de 2024, foi o que explicou o vice-presidente da Anfavea, Marco Saltini.

No entanto, o caminho para a eletrificação no país demandaria investimentos na criação de 150 mil postos de carregamento e custos na ordem de R$ 14 bilhões até 2035. De qualquer forma, a estimativa é que até 2035, de 12% a 22% da frota de veículos no país seja elétrica.

Uma outra alternativa discutida na coletiva é a que já está presente no dia a dia do brasileiro que seria o aumento no uso do etanol nos motores flex. Nesse cenário, o sócio da consultoria BCG, Masao Ukon, falou que haveria desvantagens com relação ao veículo elétrico por não reduzir poluentes locais, como NOx. Mas por outro lado, traria vantagens a médio prazo, na redução da emissão de CO2 em comparação com os elétricos.

A Anfavea estima que na frota de veículos leves brasileira ainda há cerca de 26 milhões de veículos com mais de nove anos, portanto mais poluentes, e que teriam que ser renovados para atingir metas de redução de gás carbônico.

Edição: Nádia Faggiani/ Renata Batista

Últimas notícias
Política

Senado discute projeto que flexibiliza a fiscalização agropecuária

O projeto de lei propõe que o próprio produtor deverá ficar responsável pelo monitoramento de etapas como produção, transporte, beneficiamento, armazenamento e distribuição e industrialização.

Baixar arquivo
Saúde

Número de embriões congelados no país aumentou 29% em 2021

No ano passado, as clínicas de reprodução assistida registraram o congelamento de mais de 114 mil embriões em todo o país, um aumento de 29% em relação a 2020.

Baixar arquivo
Economia

Bancos lucraram 49% a mais em 2021, diz Banco Central

O lucro dos bancos no ano passado foi de R$ 132 bilhões de reais, 49% a mais que em 2020. As informações estão no Relatório de Estabilidade Financeira do segundo semestre de 2021.

Baixar arquivo
Economia

Dia dos Pais deve movimentar mais de R$ 7 bilhões na economia

As homenagens aos pais também devem ter reflexos na contratação de trabalhadores temporários para os setores de comércio, serviços e turismo, com salário médio em torno de R$ 1.600.

Baixar arquivo
Geral

Whatsapp desenvolve novas funções para usuários do aplicativo

Uma nova função vai permitir a saída silenciosa do grupo. Só os administradores vão ficar sabendo.

Baixar arquivo
Economia

Índice que acompanha flutuação dos aluguéis avança em julho

Depois da queda de 0,31% em junho, o IVAR, Índice de Variação de Aluguéis Residenciais, medido pela Fundação Getúlio Vargas, subiu 1,05% em julho.

Baixar arquivo