Economia cresce 2,9% em 2023

PIB per capita ficou em pouco mais de R$ 50 mil

Publicado em 01/03/2024 - 17:40 Por Tâmara Freire - repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

A economia brasileira cresceu 2,9% no ano passado e, com isso, o produto interno bruto do país somou R$ 10,9 trilhões. Este é o maior patamar já alcançado na série histórica, iniciada em 1996. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (1) pelo IBGE.

O resultado é bem próximo do alcançado em 2022, quando houve expansão de 3%. Mas, em valores correntes, em 2023, a soma de todas as riquezas produzidas no país alcançou uma cifra maior em cerca de R$ 1 trilhão, na comparação com o ano anterior. Com isso, o PIB per capita ficou em pouco mais de R$ 50 mil.

De acordo com o instituto, o principal motor desse crescimento, entre as atividades econômicas, foi a agropecuária, que teve expansão recorde de 15,1%, superando a queda em 2022. Isso foi resultado das super safras de soja e milho, duas das principais commodities brasileiras. Mas os outros grandes setores econômicos também tiveram avanço, que foi de 1,6% na Indústria e de 2,4% em Serviços, como explica a coordenadora de Contas Nacionais do Instituto, Rebeca Palis.

De acordo com o IBGE, no ano passado o setor externo contribuiu mais o crescimento da economia brasileira do que o mercado interno, o que aparece também nos números da balança comercial, que mostram aumento de 9% nas exportações. Mas considerando apenas a demanda interna, a expansão do PIB foi impulsionada principalmente pelo consumo das famílias, que cresceu 3,1% em relação a 2022. Rebeca Palis explica que entre os fatores que propiciaram esse aumento estão o crescimento da massa salarial, os programas de transferência de renda do governo e o arrefecimento da inflação.

Por outro lado, os investimentos, medidos pela Formação Bruta de Capital Fixo caíram 3%. De acordo com a coordenadora do IBGE, isso está relacionado à alta taxa de juros, porque os investimentos dependem de crédito e a taxa Selic iniciou o ano com o maior valor da história e só começou a cair em agosto. Essa queda também ajuda a explicar o recuo de 1,2% nas importações. Após a divulgação feita pelo IBGE, o Ministério da Fazenda comentou em nota informativa os resultados, em que prevê um crescimento do PIB menor para este ano, de 2,2%, considerando que a agropecuária deve ter uma contribuição menor, mas apostando em recuperação da Indústria, retomada dos investimentos produtivos e continuidade da expansão da produção extrativa minera

Edição: Ana Lúcia Caldas / Fran de Paula

Últimas notícias
Saúde

Saúde óssea depende de exercícios regulares, defende médico do INTO

Além de provocar sensação de bem-estar, elevar a autoestima e trazer melhorias para as relações sociais, a prática regular de atividade física tem um papel fundamental para a saúde óssea e muscular.

Baixar arquivo
Saúde

Pesquisadores desenvolvem fármacos para tratamento de doenças crônicas

Pesquisadores brasileiros investem em pesquisa e na produção de novos fármacos, que podem ajudar no tratamento de pacientes que lutam contra doenças crônicas.

Baixar arquivo
Geral

Empresa eólica é condenada a pagar indenização a morador do RN

Empresa dona de parque eólico no interior do Rio Grande do Norte é condenada a pagar indenização de R$ 50 mil por danos morais para um morador da região de Serra de Santana, a cerca de 200 km da capital do Estado, Natal.

Baixar arquivo
Educação

Brasil ganha Mundial de Robótica em Houston, nos Estados Unidos

O primeiro lugar na categoria de 9 a 16 anos foi conquistado pela equipe Los Atômicos, de Araras (SP). A segunda colocação ficou com outra equipe do interior paulista, de Santa Cruz do Rio Pardo.

Baixar arquivo
Saúde

Aumenta o número de casos de bronquiolite no Rio de Janeiro

A bronquiolite é uma condição clínica causada pela inflamação dos bronquíolos e das vias aéreas inferiores que levam oxigênio para os pulmões.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Acampamento Terra Livre completa 20 anos e exige demarcação de terras

O foco da programação deste ano é a reafirmação da luta indígena contra a lei do marco temporal. Além disso, há uma crítica quanto à demora na demarcação de novas terras. A expectativa era que o governo demarcasse 14 áreas, nos primeiros 100 dias de gestão. Mas, em um ano e quatro meses, foram apenas dez.

Baixar arquivo