Enem é adiado por 30 a 60 dias

Inep

Publicado em 20/05/2020 - 16:50 Por Sumaia Villela - Brasília

O Enem, Exame Nacional do Ensino Médio, de 2020 será adiado por 30 a 60 dias, segundo anunciou o Inep, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Por enquanto, segundo o instituto, está mantido o prazo de inscrições para a prova, que termina nesta sexta-feira, dia 22.


Até então, o governo federal era contrário à mudança da data. Mas, após o Senado aprovar projeto de lei para adiar o exame, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou nesta quarta, em sua rede social, que concordaria com o adiamento.


Também foi anunciada uma enquete sobre o assunto, voltada aos mais de 4 milhões de candidatos que já se inscreveram no Enem, e que deve ser aberta em junho, segundo o Inep. A participação será feita por meio da página do participante do exame.


Organizações como o Consed, Conselho Nacional dos Secretários de Educação, e a Une, União Nacional dos Estudantes, já tinham defendido o adiamento do Enem. Na Câmara, o projeto de lei está previsto para votação nesta quarta-feira.


Nesta terça, o Senado aprovou a matéria por 75 votos a 1. O texto determina o adiamento automático de todas as provas e exames de acesso ao ensino superior quando houver um estado de calamidade pública ou quando for interrompido o ensino médio no país, como ocorre agora, durante a pandemia do novo coronavírus.


O objetivo do projeto de lei é que essas provas só ocorram após o fim do atual ano letivo, para não prejudicar os candidatos que ainda cursam o ensino médio, como destacou o relator do projeto, o senador Izalci Lucas, do PSDB do Distrito Federal.


O senador Eduardo Braga, do MDB do Amazonas, afirmou que, no estado, 80% dos estudantes do interior não têm acesso à internet. Já o senador Veneziano Vital do Rêgo, do PSB Paraibano, lembrou que parte dos jovens das regiões Norte e Nordeste não podem acompanhar as aulas online.


O único parlamentar que votou contra o projeto foi o senador do Republicanos do Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro. O projeto de lei aprovado no Senado ainda precisa ser aprovado na Câmara dos Deputados antes de ir para a sanção presidencial.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Política

Sem acordo deputados adiam votação da MP de manutenção de emprego

Por falta de acordo foi adiada, mais uma vez, a votação da  Medida Provisória  que cria o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. A MP  enfrenta resistência porque o relator, deputado Christino Áureo,incluiu vários outros temas no texto, como mudanças na CLT.

Baixar arquivo
Cultura

Programa vai premiar iniciativas de samba e hip-hop de favelas no Rio

Inscrições já estão abertas. Serão selecionadas 50 iniciativas e cinco agentes culturais com projetos de todas as regiões da cidade, colocando na mesma roda o samba, o hip hop e a rima.

Baixar arquivo
Cultura

Filme sobre Exú abre o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul

A nova edição do tradicional festival teve início nesta quarta-feira e este ano vai percorrer seis municípios do RJ.

Baixar arquivo
Geral

Projeto piloto Embarque + Seguro chega ao Aeroporto de Brasília

O sistema usa o reconhecimento facial para autorizar a entrada no avião. O uso dessa tecnologia inclui o Brasil entre os países que começam a abandonar a necessidade de apresentar documentos no portão de embarque.

Baixar arquivo
Política

Na posse de Ciro Nogueira, Bolsonaro fala de mudanças no Bolsa Família

Em evento que oficializou o novo ministro da Casa Civil, presidente disse que deve assinar esta semana a MP que cria o novo "Auxílio Brasil", que deve pagar acima do valor do atual benefício.

Baixar arquivo
Saúde

Governador de SP diz que recebeu menos doses da Pfizer, Saúde nega

O governador de São Paulo, João Dória, disse que estado recebeu 228 mil doses da vacina da Pfizer a menos que o previsto. O Ministério da Saúde explicou que a redução foi feita para compensar doses a mais da vacina Coronavac, que foram retiradas diretamente do Instituto Butantan.

Baixar arquivo