Inep: 99,3% das escolas brasileiras suspenderam aulas presenciais

Pandemia fez parte das instituições ajustarem ano letivo de 2020

Publicado em 08/07/2021 - 17:55 Por Ariane Póvoa - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

99,3% das escolas brasileiras de educação básica suspenderam as atividades presenciais durante a pandemia. Para enfrentar questões pedagógicas relacionadas a essa suspensão, parte das instituições precisou ajustar a data do término do ano letivo de 2020.

Na rede particular, o cronograma previsto foi seguido por 70% das escolas. Já na rede pública de ensino, pouco mais de 53% das escolas conseguiram manter o calendário.

As informações são de um levantamento divulgado nesta quinta-feira (8) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

A pesquisa Resposta educacional à pandemia de covid-19 no Brasil foi aplicada entre fevereiro e maio de 2021, por meio de um questionário suplementar, durante a segunda etapa do Censo Escolar 2020.

Segundo o Inep, os dados são fundamentais para a compreensão das consequências da pandemia no sistema educacional brasileiro e também para a elaboração de estratégias e políticas de enfrentamento dos impactos da crise sanitária no ensino e na aprendizagem.

O percentual de escolas brasileiras que não retornaram às atividades presenciais no ano letivo de 2020 foi de 90,1%, sendo que, na rede privada, esse percentual foi de 70,9%. Nesse contexto, o levantamento aponta que mais de 98% das escolas do país adotaram estratégias não presenciais de ensino.

Na comparação com outros países, o levantamento revela que o Brasil teve um período expressivo de suspensão das atividades presenciais.

A média no país foi de 279 dias suspensos durante o ano letivo de 2020, considerando escolas públicas e privadas.

Dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) mostram que países vizinhos, como Chile e Argentina, registraram 199 dias sem aulas presenciais entre 11 de março de 2020 e 2 de fevereiro de 2021.

No México, foram 180 dias de paralisação, enquanto no Canadá, 163 dias. França e Portugal contabilizaram menos de um trimestre de aulas suspensas.

Mais informações sobre o levantamento estão disponíveis em gov.br/inep.

Edição: Jéssica Gonçalves/ Renata Batista

Últimas notícias
Economia

Pix: presidente do BC diz que não é verdade que bancos perdem dinheiro

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, disse nesta quinta-feira que não é verdade que os bancos estão perdendo dinheiro com o Pix.

Baixar arquivo
Política

Conselho de Ética da Câmara do Rio aprova cassação de Gabriel Monteiro

O Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou por unanimidade o relatório que pede a cassação do mandato do vereador Gabriel Monteiro, por quebra de decoro parlamentar.

Baixar arquivo
Economia

Produtos de origem indígena estão disponíveis para compra na internet

Produtos de origem indígena com a certificação da Funai estão disponíveis para compra na internet, por meio da plataforma Maeí. O espaço virtual foi desenvolvido pelo Instituto Moara — que também vai ser responsável por manter o comércio eletrônico.

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Em São Paulo seminário discute a implantação da nova tecnologia 5G

A internet 5G já está ativa em Brasília, Porto Alegre, João Pessoa, Belo Horizonte e São Paulo. Na semana que vem, a nova faixa vai ser ativada em mais três cidades: Curitiba, Salvador e Goiânia.

Baixar arquivo
Geral

Frio e ventania deixam a cidade de São Paulo em estado de alerta

O tempo permaneceu instável na capital paulista. Foi um dia muito nublado, em que uma chuva fina e fria se alternou por breves aberturas de sol e o resultado foi um dia frio.

Baixar arquivo
Economia

Jovens desempregados: número está 6 milhões acima dos níveis pré-covid

O número de jovens desempregados em todo o mundo ainda está 6 milhões acima dos níveis de antes da pandemia, segundo relatório da OIT, a Organização Internacional do Trabalho.

Baixar arquivo